quarta-feira, 31 de outubro de 2007

A subir

Enquanto me preparo para mais uma jornada gloriosa do ndrangheta em Amesterdão - Mister D, meu caro, já viste como um gajo não consegue estar mais de dois meses sem lá ir? -, reparo que estamos a atingir um pico de audiências, jamais visto na nossa curta história.
Como o escriba Mister D deixou de por cá andar, deduzo que o pessoal gosta mais de mim do que dele. Será que até aqui se vê a força do Vieira?
PS - Cosimo, esta era só para o atacar, não leves a mal...
NB - eu sei que há por lá delinquentes, mas também há advogados, jornalistas, enfermeiros, gestores informáticos e bancários. Sei disso e muito mais. Mas também sei que dura lex sed lex é uma máxima que se aplica a todos. A delinquentes, mas também a advogados, jornalistas, enfermeiros, gestores informáticos e bancários. Se não se querem legalizar, façam como nós fizémos: comprei 20 ou 30 cativos juntos e façam barulho à fartazana. Caso contrário, vão pregar a outra freguesia, que o Benfica precisa de ser gerido... cá, como por lá, o dinheiro não entra pelas frinchas da porta...

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Trio de Ataque (à inteligência)

Há muito tempo que não via este programa porque, tirando o moderador, não há ninguém ali que perceba de futebol. Ora eu para ouvir gente que não percebe nada de bola basta-me entrar em qualquer café de bairro, com a vantagem de saber que aqueles que lá opinam não são pagos com dinheiro do erário público.
Pois bem, hoje caí no erro de ouvir o trio ridículo uns minutinhos e fui aos arames.
Então que aquela besta com ares de grande senhor que dá pelo nome de Rui Moreira tem a lata de insinuar que o Ricardo Esteves fez dois penaltis no Domingo com a intenção de beneficiar o Benfica?
Esse gajo sabe quantos jogadores tem o seu clube emprestados a equipas da 1ª liga? Quantos desses não jogam contra o seu grémio? Quantos fazem penaltis e auto-golos quando jogam contra a equipa dourada?
E aquela ave rara que se diz benfiquista fica calada mesmo quando o palerma esverdeado corrobora a tese do amigo azul?
Depois vem o Binya. Volta a dizer o adepto do clube do putedo que o Binya devia ter visto 2 vermelhos e um amarelo no jogo com o Maritímo. A besta lagarta logo acrescenta "se joga assim na liga dos campeões não acaba um jogo". E o nosso representante não consegue melhor que dizer que o treinador tem de o refrear.
O Binya jogou os 3 jogos do Benfica na Liga dos Campeões não viu vermelho nenhum e nem me vou dar ao trabalho de ir pesquisar se tem algum amarelo. O cineasta não sabe?
Agora em Portugal não há jogo do Benfica em que não se reclame do jogo duro de Binya. Medo? É bom que tenham. É um belíssimo jogador e temos de ser nós a defende-lo.
Carniceiro é o Bruno Alves. Um verdadeiro animal. Péssimo jogador e grande sarrafeiro de quem nada se diz na comunicação social porque joga onde joga. Mas ao menos que os representantes do Benfica onde quer que estejam o digam.
É assim que o Benfica tem queimado muitos dos seus jogadores nos últimos anos. Com a ajuda de gente desta.

diatribes

Na passada sexta-feira, ao fim da tarde, o canal ESPN Classics passou um documentário sobre a rivalidade entre o Flamengo e o Vasco da Gama.
Não interessa, aqui, salientar que essa rivalidade começou nas regatas – é certo que, qualquer um dos clubes, começou como Clube de Regatas.
Interessa, isso sim, perceber que o Flamengo, com o passar dos anos, se tornou o clube mais popular do Rio, rivalizando, por década e em títulos, com cada um dos outros grandes clubes do Rio: se na de 60 foi com o Botafogo, na de 70 foi com o Fluminense e na de 90 com o Vasco – é curioso que o ciclo anterior é idêntico. Mas, e a verdade é simples, o Flamengo esteve sempre lá.
Serve isto para salientar que o meu clube favorito, no Rio e em todo o Brasil, é o Flamengo. Apesar do Botafogo do Garrincha e de Autuori, do Fluminense do Chico e do Nelson Rodrigues e do Vasco de todos os meus familiares, torço pelo Flamengo, sem nunca ter percebido porquê.
Apesar de Zico…
No entanto, há uma semana cheguei lá. E não foi preciso muito. Bastou-me, sem querer e sem, tão pouco, me ter apercebido, ter torcido pelo Inter de Luanda. A resposta, meus caros, reside na relação de amor/ódio que mantenho com Carlos Mozer…
Assim, meus caros, passo a anunciar que, entre Junho e Julho de 2014, se estiver vivo, estarei no Rio - ou por todo o Brasil... - a acompanhar o Mundial de futebol, equipado com o 3 do Flamengo! Aconteça o que acontecer...

gracejos e bocejos

A assembleia geral ordinária do Sport Lisboa e Benfica, realizada ontem à noite, não fica para a história. Nem podia ficar: os delinquentes que por lá passaram não têm essa dignidade.
Mas, no meio disso, há um facto que deve ser levado em conta: eles são sócios do Sport Lisboa e Benfica. E apareceram...

Ainda...

Alguns amigos preferem salientar a exibição do Benfica contra o Marítimo, falando da garra, da entrega e da, enfim, vitória. Também gostava de fazer o mesmo, esquecendo a falta, para grande penalidade, cometida sobre Leo.
Não o posso fazer. Faltavam 20 minutos para o fim da partida, o Marítimo passava a jogar com 10 e nós passávamos - por certo...- para a frente do resultado. Ainda para mais, Pedro Proença já nos habituou a estas situações! Esquecer e isto e partir, apenas, para o futebol é desvirtuar os factos que ocorreram nas nossas barbas.

domingo, 28 de outubro de 2007

cinco

Com o de hoje, já lá vão cinco grandes penalidades por marcar a favor do Benfica. Cinco...
À parte disso, um grande jogo, com muita fibra, garra e coração. Bem ganho, apesar de todas as dificuldades...

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Tacuara

Cardozo nao engana.
Nem os benfiquistas podem gerar equívocos: um avançado centro que prende dois centrais, que não desiste, que remata sempre que pode e que, normalmente, acerta na baliza - postes incluídos... -, não pode enganar.
Mas isso não chega. As melgas do terceiro anel querem mais. Querem um avançado que marque dez golos por jogo. E se, depois da tarefa de sísifo, ainda falhar um golo, assobiam. Ao cabo e ao resto, vivem iluminados por um dogma: não terem capacidade para ser adeptos do GLORIOSO.
Contra factos, meus caros, não há evidências: o terceiro anel queima jogadores, sejam bons, ou não sejam. E isso é insuportável!

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Guardiola

Li hoje - assumo que com algum atraso... - a notícia da absolvição (seis anos depois, seis anos...) de Guardiola.
Durante anos e mais anos, esperei ver jogar Pep Guardiola no Benfica. Acompanhei a sua ida para o Brescia e fiquei atónito. Depois veio a acusação de dopping que, neste caso, todos sabíamos ser falsa. Agora vem a felicidade da absolvição pelo Tribunal de Apelação. Seis anos depois, seis anos...
É curioso que ontem, em pleno jantar e depois da jogatana da Catedral, enquanto bebíamos umas imperiais bem tiradas, houve quem se lembrasse de Guardiola. E brindámos à sua saúde. Não porque precisasse. Apenas porque nós precisámos de Guardiola, o homem que lia filósofos em estágio... apenas porque me recordei que não o vi jogar com a camisola do Benfica...
Agora que chega a absolvição, chega a hora de Guardiola voltar ao topo do futebol. Pode não ser no seu Barcelona, é certo. Mas tem de haver um lugar... nem que seja na nossa Catedral!

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

O que seria dele?

Se Cardozo não tivesse recebido a bola de Di Maria, controlasse a mesma para a sua frente e colocasse a bola a anichar na rede, o que não diriam dele?

Que rematou com muita força e a bola foi à barra! Que não sabe cabecear com força e o guarda-redes assim defende tudo (mas ele está lá para defender, sabiam?), etc, etc, etc...

Assim marcou o golo e vão ter de esperar mais uma semana pelo menos para lhe começaram a fazer a cama outra vez.

P.S. Podem descontar 300 mil euros aos 9 milhões...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Paulo Bento e a confiança nas terceiras escolhas:

Paredes é, claramente, uma terceira escolha. Gladstone será a segunda. Assim, Paulo Bento, a perder por 2 a 1, a 25 minutos do fim, lembrou-se de boa: meteu o Paredes... O que dizer? Não podia entrar o Gladstone e fazer subir o Miguel Veloso?
PS - (em resposta) Bynia, efectivamente. Só se Camacho olhar a nomes...

terça-feira, 23 de outubro de 2007

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Mau perder

O mau perder da Mclaren é intolerável. Absolutamente intolerável. Razão tem o "iceman": ainda bem que fui campeão pela Ferrari!

domingo, 21 de outubro de 2007

Os Marretas

António Tadeia é estúpido! E para além de estúpido, é parvo! Para além destas duas características tão próprias, ainda tem o condão de ser pago por todos nós para dizer verborreias mentais sobre o que é um jogo de futebol.
Paulo Catarro também é estúpido. E parvo também, já que não é capaz de fazer o que quer que seja em televisão que não mostre uma cara de frete, como se todos lhe devessem e ninguém lhe pagasse. Além disso, com os da própria classe trabalhadora, nem é capaz de dirigir palavra, julgando-se um ser superior.
Os dois deram ontem um espectáculo digno de serem irradiados para sempre dos comentários televisivos. Armarem-se em dignos leitores da lei, querendo que a lei dissesse aquilo que eles não sabiam, tornou-se maçador, aborrecido e de uma parcialidade a raiar a estupidez e a não dignificar a classe a que eles gostam muito de se referir como "jornalistas".
Aliás, é um problema grave nas transmissões televisivas portuguesas. Quando se pretende é dar informação sobre o jogo, complementá-lo com informação relevante sobre jogadores, treinadores e árbitros, e relatar o indispensável, talvez o artigo que Carlos Daniel escreveu no Record fosse uma boa ajuda, mas depois do Mundial da Alemanha, é melhor ficar-me por aqui.

Camacho continua a inventar. É certo que a Taça da Liga serve para experimentar e inventar, mas ter Nuno Assis a extremo direito e Di Maria a nº10 não é propriamente a melhor solução. E porque razão Adu não joga mais vezes nesta Taça, uma vez que não tem sido grande opção na Liga?

A Bola conseguiu um jantar com os nove árbitros internacionais e com Pedro Henriques. Estranhamente, os mesmos órgãos que tanto criticaram Pedro Henriques, são os mesmos que o consideram internacional, não fosse o facto do mesmo estar com idade avançada para tal. As desculpas do costume, as queixas do costume e o não assumir das culpas foi a tónica de um jantar com quase 4 horas. Mais do mesmo, portanto...

Paulo Bento também acha que pode inventar. E por isso, ao intervalo, teve de colocar Miguel Veloso, João Moutinho e Liedson para ver se conseguia empatar com o Fátima, esse colosso do futebol nacional que o ano passado estava na II Divisão, Série C. Fiel ao sistema táctico e sem reparos ao árbitro, o treinador do Sporting mostrou que o plantel que lhe prepararam se calhar não é aquele que ele queria...

Duas notas

- Tristíssima figura da dupla Catarro / Tadeia a quererem à força que o golo sadino fosse legal. Duas horas de argumentção patética que inventou até a questão da intencionalidade no fora de jogo. À atenção do International Board.
- Para que conste, na modesta opinião deste escriba, quem nunca teve valor para representar o Benfica foi o senhor Fidalgo. Antes de se referir a qualquer jogador do Benfica nos termos em que o fez deveria corar de vergonha ao recordar os anos que passou naquele clube apesar da sua manifesta incompetência.
E já agora gostava também de te ver um dia teres os colhões para utilizar os mesmos termos ao classificar Mareques, Sonkayas, Bolattis e afins azuis.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Tristeza em Sabrosa - ou quatro notas da passagem pelo leste da Europa, melhor, pelo oeste da Ásia...

1 - Simão Sabrosa anda triste. Perdeu protagonismo em Portugal - homem, foste tu que escolheste o Atlético de Madrid... -, ninguém lhe liga nenhuma em Madrid - está atrás de todo o plantel do Real e, dentro do Atlético, Aguero, Forlán e Reyes são os maiores para a aficcion colchonera - e corre o risco de ver o Europeu da Áustria no banco de suplentes - com Nani como primeira opção...-. Parece que suspira pelos gloriosos tempos da gloriosa braçadeira de capitão! Aqui digo o que corre em surdina: se o preço for bom, a porta só pode estar aberta... com o ordenado de outrora, é certo...
2 - Scolari é um ídolo para os jogadores. Nós podemos refilar, a imprensa pode opinar e os comentadores zurzir. Mas os jogadores não pretendem outra personagem na selecção. E contra esse facto...
3 - A UEFA andou a brincar ao futebol e não sei se Platini pretende continuar com a fantochada. Então o Bonfim não tem condições para a UEFA e o campo de Baku tem? Vão tomar no Ku!
4 - Ao contrário do que sugere o blogger do momento, não parece que Armando Vara abandone o babilónico posto de administrador na Caixa Geral de Depósitos, trocando-o pelo de Presidente da Federação. A não ser que se permita um regime de excepção, com acumulação de funções. O que seria engraçado, dados os patrocínios envolvidos...
PS - Parece que o pessoal de Setúbal quer começar a primeira parte da disputa no Bairro Alto, depois da bola... candidatos?

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Selecção e Taça da Liga

1 - No Cazaquistão, Portugal vai defrontar uma das muitas equipas que nasceram da eclosão vulcânica da URSS. Embora muitos continuem a pensar que podíamos defrontar a Arménia à segunda, o Arzebeijão à quarta, o Cazaquistão à sexta e outra qualquer ao Domingo, a prova vai ser difícil. A mim, que, se tudo correr bem, que estarei na Áustria, basta-me ganhar por uma a zero...
2 - No próximo fim de semana joga-se a excitante Taça da Liga. Sei que o Vitória vem à Luz para ganhar, mas desconfio que o jogo só será resolvido à beira do Sado. Literalmente... entre mim e uns compinchas de Setúbal, antes ou depois do jogo da segunda mão - conforme a hora...-, entre um choco frito e uns copázios da Ti Ermelinda. Quem alinha nos tragos largos?

sábado, 13 de outubro de 2007

Sábado à tarde, bebendo conspiração

- Portugal, cumprindo a sua obrigação, mas para desespero de muitos, com o filho do António em campo (vão ver que no seguimento do texto, esta dica é importante...), derrota o Azerbeijão. Pior, muito pior, os comentários de António Tadeia. A páginas tantas lembra-se desta: "para este jogo, Higo Almeida não é o ponta de lança que precisamos. Talvez um do tipo "Paulo Alves", que jogava sempre nestes jogos e marcava três ou quatro..." Incrível Tadeia volta a atacar. Desta feita à moda do Joaquim Rita! Incrível...
- Vira a página e chego ao ESPN Classics. Imagens do PSV - Benfica de Maio de 1988. Botas saem das chuteiras (continuo a pensar que foi sabotagem do pintinho) e o PSV dá um banho de bola (bom, banho, banho, não é, mas anda lá quase). Aguentamos até aos penalties e eis que Silvino (sabotagem?) não segura uma. Veloso (sabotagem póstuma?) falha e Koeman (sabotagem?) levanta a taça. Depois de Gerets, é certo (sabotagem póstuma e num juízo de prognose por causa de em 2007 ir defrontar o clube do pintinho, treinando o clube que em 1990 viu uma mão afastá-lo da final da Taça dos Campeões?). Vê-se Diamantino de perna estendida (não é por acaso que o Varzim é filial do Porto) e Chiquinho Carlos em campo (esta é sabotagem de certeza absoluta!). Mas vejo mais. Jesualdo no banco (querem-me dizer que não houve sabotagem?), ao lado de Toni (o que dizem a isto?). Mozer (que provou em 90 que estava a sabotar isto tudo), Dito (o que querem que vos diga?), Rui Águas (deste não falo, porque gosto!), Pacheco (quem?), Wando (foda-se!) e Hajri (incrível!) lamentam-se (de quê? com esta equipa, perita em sabotar, melhor era impossível!). E eu choro. Não pela derrota, mas por não ter lá estado. Assim como assim, estava vivo e vi mais uma (não a última...) final da taça dos campeões europeus, pela televisão, ali bem perto da Avenida de Ceuta, junto ao reduto do Alexandre Alves (vamos a ver e ainda fui eu que sabotei esta merda toda...). Ao contrário da lagartagem, que, desconfio, vai continuar a viver com o mal dos outros...

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Não sou eu que o digo

"Noto distanciamento por parte do Benfica. Não compreendemos como é que o Benfica lança um kit em relação ao qual as casas são o maior potencial vendedor e não são consultadas. Quando as casas não vendem bilhetes, o estádio não enche. Não estamos contra o presidente, queremos é ajudar.", Fausto Costa, Presidente da Casa do Benfica da Ilha Terceira, ao Jornal A Bola .

Nota: Os sublinhados são meus!

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Se o Benfica ganha, o que se faz?

Critica-se o Benfica e goza-se com os dois melhores jogadores em campo...
PS - Parece que o blog mais anti-benfiquista da blogosfera vai passar a ter um escriba benfiquista. Será que é mesmo?

Algo vai mal...

Quando um jogador que é dispensado do actual 14º classificado do Campeonato Francês é um dos "melhores jogadores" do Benfica...

Ou como um camaronês que toca em tudo o que mexe (bola incluída) e é mais conhecido por arremessos de bola com a mão, é considerado de uma "extrema utilidade"...

Ou como se critica um jogador com mais de 100 golos pelo clube com o argumento de mexer mais no cabelo do que na bola...

O futebol é um desporto estranho, não é?

domingo, 7 de outubro de 2007

Fome de vitórias

A primeira vez que entrei no Estádio da Luz foi no longíquo ano de 1988, para assistir à meia-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus entre o Benfica e o Steaua de Bucareste. Rui Águas marcou os dois golos e o Benfica dessa altura, nesse estádio repleto de adeptos, encatava, dominava e ganhava jogos como se não houvesse amanhã.

O poderio nortenho que começou a carpir como um polvo no nosso país, e a que não foi alheio o ajuntamento de muitos dos presidentes do Benfica a essa figura sinistra como é PC, fez com que o próprio Benfica começasse a perder o poder, não só no campo, mas também com essa praga que dá pelo nome de empresário e que mina constantemente um clube.

Com a crise de 1993, outros se aproveitaram de tamanha devoção e espírito de conquista que emanava de uma equipa que com suor e muito trabalho, conseguia disfarçar algumas carências técnicas ganhando uma Taça e um Campeonato.

Eis que chega o Salvador, e outro e outro e outro e mais uns quantos que sempre que passavam a velhinha Porta 1 do Estádio não eram capazes de se curvarem perante a águia que os esperava pacientemente, sempre na busca de um futuro melhor e risonho do que até então.

Num período onde "valia" tudo, pouco faltou para chegarmos ao cadafalso, mas isso é discurso de circunstância ou não estivéssemos a falar do Benfica. O Benfica, que é o maior clube português, que movimenta este pequenino Mundo que é Portugal e mais dois Mundos equivalentes por esse Mundo fora, nunca fechava as portas. Porque somos grandes, bem grandes. Mas as vitórias continuavam por aparecer...

E eis que surge o Salvador final, que traz consigo uma equipa maravilha, a melhor dos últimos anos, aquela que vai levar ao rubro e voltar a fazer renascer a águia, que teimosamente continua na Porta 1, mas do novo Estádio, um dos mais bonitos do Mundo, condizente com a grandeza do clube.

Em 2005, teve de aparecer um italiano para mostrar que mesmo jogando feio e mal, limitado pelo que lhe tinham deixado em mãos, conseguiu mostrar a Portugal a força e a grandeza de um clube que estaria "adormecido". De repente comecei a ficar com a mesma sensação de 1993, onde continuam a aparecer Salvadores atrás de salvadores, prontos a recuperar e agora a criar uma equipa. Os ciclos quebram-se a uma velocidade estonteante e nem fogachos esporádicos de uma boa campanha servem para aprender alguma coisa.

Entre 1988 e 1993, consegui ver o Benfica em duas finais da Taça dos Campeões, três vezes Campeão Nacional e vencedor da Taça. Sentia-me bem, porque o Benfica ganhava. Tinha vitórias. Essas vitórias que tardam em aparecer de há dois anos para cá... Apesar de haver salvadores, quase sempre prontos para entrarem em acção...

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Fome de derrotas

Ao ler alguns dos posts deste blog, juntando parte dos comentários, dou por mim a pensar se a fome não é um vício e a natureza humana não está virada do avesso...
Depois de anos de gestão danosa - ruinosa! -, depois de Vales e companhias, vir para a praça pública falar desta maneira, quando em seis anos conseguimos o que conseguimos - até um estádio novo quase pago! -, roça o macabro e faz-me pensar se alguns não passam por aqui infiltrados!

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Corrupção

O filme (que era para ser...) Corrupção, de João Botelho, vai cair no esquecimento?

Caos

1 - Mircea Lucescu, num quase português de fazer inveja a Camacho, definiu o futebol do Benfica numa só palavra: caótico!
É tudo em esforço, menos no inexistente meio campo - a falta de força e de presença muscular é gritante.
2 - Grande resultado do porto. Não vi o jogo, mas foi um belo resultado.
3 - Resultados inesperados, acima de tudo, na noite dos Campeões. Foi pena que na Catedral fosse tudo menos inesperado...
4 - Determinado árbitro alemão -- que me recuso a dizer o nome -, continua a espalhar o pânico pela Europa do futebol. Ontem decidiu brincar em Glasgow, com o beneplácito da UEFA. É incrível como se admite isto! Mas de uma instituição que permite que Olegário, o primo do outro, músico de terceira categoria e frustrado, apite jogos relevantes...

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

As comissões

Sempre existiram no futebol e a primeira vez que tomaram conta da imprensa foi quando Manuel Barbosa ganhou 10% da transferência de Rui Costa para a Luz.

Depois, e já com conhecimento próprio, muitas transferências são feitas e foram feitas pelo clube, onde as comissões tinham sempre o seu papel.

Jupp Heynckes teve as suas comissões. Souness idem. Até Michel Preud'Homme quando era Director do Benfica para as Relações Internacionais.

Nos últimos tempos, esse papel estava destinado a quem está agora no Swindon Town. Agora, um dos que sempre ganhou continua a ganhar ou para quem acha que não, basta verificar o número de contratações que o Benfica fez este ano.

O que mais estranha é que Camacho também deve ter algo a fazer ou não apostava em Maxi Pereira com tanta veemência. É de uma limitação gritante, é lento, não cobre e apenas o seu pulmão disfarça essas carências técnicas.

É o único comentário que resta fazer sobre esta noite na Champions. Tudo o resto, é o resultado da magnífica gestão que tem sido feita pelo Departamento de Futebol do Benfica e do seu Presidente.

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Conclusão...

Em Portugal, os árbitros são maus. Os bons são maus. Os medíocres são péssimos. Os maus são inenarráveis. A incompetência é tanta, tanta, tanta mesmo, que não nos resta outra alternativa senão requerer o despedimento de todos, por manifesta incompetência, e, enquanto não formamos novos, ir ao estrangeiro buscar outros!