segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Assim se constroem campeões!

Pinto da Costa chegou ao Funchal no dia 31. Passou o fim de ano com Cristiano Ronaldo na Copacabana, discoteca do Casino do Funchal, e desfez-se em elogios à Região Autónoma.
Entre outras, disse coisas interessantes: que tentou fazer as pazes entre Carlos Pereira e Rui Alves, que Alberto João Jardim é um grande político e seria o único militante do PPD/PSD a conseguir derrotar José Sócrates e que a Madeira é o paraíso na terra.
Considerando que Pinto da Costa ficou no Funchal até ontem, podemos dizer, com alguma segurança, que numa terra com pouco mais de 200.000 habitantes, estavam lá, pelo menos, 5 dos pricncipais arguidos do "Apito Dourado". A saber: Pinto da Costa, Rui Alves, Carlos Pereira, António Henriques e Araújo. Pelo menos... A estes, deve juntar-se o "empresário" Jorge Mendes, que foi a banhos com o seu mais que tudo. (Nota: dava 10 anos da minha vida para ter ido, este ano, ao Funchal passar o ano e ver, com os meus próprios olhos, no Clube M, que substituiu o célebre Fugitivo, o que dizem que por lá se passou! Logo este ano que, ao invés do normal, não fui ao Funchal...)
É, no entanto, evidente que o Nacional, ontem, fez tudo para ganhar ao Porto. Excepto um penalti estúpido e infantil no último minuto de jogo, os seus jogadores deram o litro... aliás, dois minutos antes desse imbecil penalti , Mateus teve perto de sentenciar o jogo.
Mas factos são factos: o penalti surgiu e o Porto ganhou.
O nosso clube, ao invés, fez todos os possíveis para não ganhar um jogo fácil. Suazo e Aimar, que ganham, num mês, o que metade do plantel do Trofense ganha nm ano, falharam golos de baliza aberta, Moreira deu um frango do tamanho do mundo, Di Maria brincou durante 45 minutos, Carlos Martins não foi a jogo e Quique demonstrou à saciedade que não sabe mexer numa equipa (responsabilizar Binya não vale, uma vez que o homem é demasiado infantil). Resta dizer que, ao contrário do que escrevi ontem, o golo do Trofense não é irregular.
Rui Costa, no fim, limitou-se a dizer o que qualquer benfiquista diria.
PS - Na Luz, um jogador do Nacional também fez um penalti no último minuto, que não foi marcado. Ontem, e bem, o árbitro viu e marcou. Hábitos são hábitos e pouco há a dizer: deviam ter dito aos jogadores do Nacional que nem todos os adversários são o Benfica e que nem todos os árbitros são Pedro Henriques, o mentiroso.

Sem comentários: