terça-feira, 25 de maio de 2010

O ecletismo do Benfica

Depois de um ano em que se pensou mais na bola do relvado, podemos também falar do que se vai fazendo nos pavilhões, porque ao contrário de outros, o Benfica é o verdadeiro clube ecléctico, no verdadeiro sentido da palavra.

Poderia falar no Tiro com Arco, no Triatlo, no Atletismo, no Bilhar, na Natação, nos escalões de formação que pululam pelo complexo desportivo da Luz, complexo ímpar no contexto nacional de clubes.

Mas prefiro falar naquelas que são as mais importantes e que conseguem encher os pavilhões da Luz de vez em quando: o Andebol, o Basquetebol, o Futsal, o Voleibol e o Hóquei em Patins.

Começando no Andebol, uma época para esquecer. Depois da rábula com o treinador e com a Universidade do Porto, a carreira da equipa não poderia ter corrido pior. Não é desculpa um grupo que foi campeão há apenas dois anos com Donner, que tenha perdido tantas das suas capacidades. E para isso muito contribuiu o actual treinador. Pode ser um grande estudioso da matéria, pode ser professor catedrático, pode ser um brilhante teórico, mas como comandante de homens, como líder de uma equipa, o seu perfil não se adequa. Para além de afastar jogadores com protagonismo e que sabem o que é o clube, José António Silva não demonstrou em tempo algum durante a temporada, capacidade de levar o Benfica ao posto que ocupou nos últimos anos, depois dos anos mais que conturbados que a secção de andebol atravessou. Donner prepara-se para ser campeão no Algarve, mais uma vez, destronando quem dominava o andebol feminino durante épocas. Pode ser "bruto" para os jogadores, pode ser exigente, mas ganhava e ganha. E ainda não foi explicado o porquê de ele ter saído depois de ter sido campeão.

Passando para o Basquetebol, e depois de ter feito uma época mais uma vez memorável, a secção prepara-se para ser campeã, se tudo correr normalmente. Começa já na sexta, a reconquista do título e por isso, é necessário que o pavilhão se encha para que em barulho possamos retribuir as bolas de golfe, os vidros partidos e as ameaças que tivémos lá em cima. Porque cá em baixo, nós sabemos responder como pessoas normais...

O Futsal deu uma das maiores alegrias ao clube este ano, ao sagrar-se Campeão Europeu. Um título que era perseguido há muito tempo e que finalmente foi conquistado, ainda por cima em Lisboa. O que não invalida que possamos avaliar a capacidade técnica de André Lima. Ex-jogador e treinador muito estimado pelos sócios, mas que em matéria técnica e táctica ainda tem muito para aprender. E por isso, não me espanta que o Fundão nos tivesse assustado no último fim-de-semana, e que para a semana, o Belenenses seja um osso bem duro de roer. Só ser campeão europeu não chega para um clube como o Benfica, mas especialmente para o plantel que temos, capaz de massacrar em Portugal. Não o conseguir é matéria suficiente para questionar.

O Voleibol também esteve perto do céu e acabou na terra. Finalista vencido da Taça de Portugal, vice-campeão depois de estar a ganhar por 2-0. Com um orçamento bem mais reduzido do que os concorrentes, os voleibolistas do clube mostraram aquela garra que era precisa ter, mas que não foi suficiente. Resta avaliar o que falhou e onde é preciso melhorar, porque só assim se conseguem ver os verdadeiros campeões.

O Hóquei em Patins deixei para o fim, porque para mim, e apesar de me custar dizer isso, tem de ter um fim. Tem de ter um fim continuarmos a gastar dinheiro e mais dinheiro para o FC Porto ganhar 9 campeonatos. Os custos de material são imensos, fomos buscar o ex-seleccionador nacional, resgatámos alguns atletas bons, mas o Hóquei tem os dias contados há muito tempo porque tem uma Federação amadora a tratar de assuntos de gente profissional. O próprio FC Porto já disse que se o Benfica desistisse, seguia o mesmo caminho, porque não está para andar aqui a brincar e o Benfica do que é que está à espera? É preferível manter os escalões de formação e chega. Para andarmos a alimentar guerras mesquinhas que depois são usadas contra nós, é preferível estarmos quietos.

O Benfica não deixa contudo de ser um exemplo para os restantes clubes que se dizem clubes. É o único verdadeiramente ecléctico. Tem modalidades profissionais que deveriam ser o orgulho de qualquer clube. Mas como são do Benfica, a exigência terá de ser naturalmente maior. E essa exigência passa por ganhar títulos e criar rotinas de vitória.

10 comentários:

Pedro disse...

o Hóquei já devia ter acabado à muito tempo!!!!

inespugnabile disse...

Custa-me um bocado concordar contigo, mas tens razão em 90 % do que escreveste.

Nomeadamente no Hóquei: custa muito mas temos de acabar com a modalidade - ou então competirmos com uma equipa amadora nos campeonatos distritais.

MS disse...

Acho que ja era tempo de passar uma mensagem clara - Donner de volta, srs directores.

Passaralho disse...

Donner de volta, e no hóquei alguém que perceba efectivamente daquilo. Tipo Carlos Dantas. Sénica? Alguém tinha ouvido falar do homem antes de vir para o Benfica, corrido (ou pôs-se a correr) da selecção sem ganhar nada, nunca?
E mesmo assim, no hóquei é muito complicado. Mas com o plantel de este ano, com outro treinador, tínhamos feito outra figura.

Cumprimentos,
Benfica Sempre!

JNF disse...

O hóquei, em Portugal, vai acabar brevemente, com grande pena minha. Mas o Benfica tem de desistir, já chega, acabou.

Pinto disse...

Se são modalidades amadoras, que se jogue com verdadeiros amadores e não se gastem rios de dinheiro que não nos levam a lado nenhum. Se o Benfica sair dos campeonatos profissionais e se dizem amadores, logo se verá no que eles dão. É inadmissível que os corruptos ganhem com o à-vontade com que ganham. E em todas as modalidades. Assim, não!!

João Pedro disse...

"(...)Passando para o Basquetebol, e depois de ter feito uma época mais uma vez memorável, a secção prepara-se para ser campeã, se tudo correr normalmente. (...)"

Sendo adepto do FC Porto mas, sobretudo, sócio do CAB Madeira, não poderia estar em maior desacordo. No final estaremos todos cá para fazer as contas à "normalidade" do trajecto e, quem sabe, voltar a dizer que não basta ser benfiquista para treinar uma equipa como esta. O percurso dos últimos 5 anos, os mais atentos sabem bem qual foi e quanto custou, até no campo desportivo. Do outro lado está, finalmente, uma equipa à altura, em todos os aspectos.

João Pedro disse...

"É inadmissível que os corruptos ganhem com o à-vontade com que ganham. E em todas as modalidades." - coff coff coff. Não tem sido só para «os corruptos» que o Benfica tem perdido nas modalidades...

Mister D disse...

Meu caro João Pedro, adepto do FC Porto e sócio do CAB Madeira. Para ter uma equipa à altura do Benfica, é necessário ter uma pessoa que é ao mesmo tempo treinador de um clube e Seleccionador Nacional, tentando assim os atletas das equipas adversárias a mudarem de clube?

João Pedro disse...

Numa época em que o FC Porto investiu tanto no basquetebol, ou seja, rivalizou com o Benfica nesse campo, não acredito que seja a cara do líder que tenha feito a diferença. O basquetebol é uma modalidade cara, comparativamente a outras como o andebol, e os poucos atletas nacionais de referência dispostos a actuar em Portugal não estão para «meias medidas» na hora de decidir pela cor ou pelo ordenado «chorudo» e certo no final do mês.

Sobre os casos João Santos e Élvis Évora, apenas sei o que li: um desmentido sobre o segundo, uma "não confirmação" sobre a alegada contratação do primeiro.

Porém, também discordo da acumulação de ambos os cargos, ainda para mais quando julgo que a selecção está mal servida. Moncho sabe muito sobre o jogo, é um teórico, mas não tem o carisma necessário para conduzir um grupo «fraco» no panorama europeu aos sacrifícios que a «missão» exige.

Contudo, no FC Porto tem um conjunto de individualidades fortes que, ao longo da época, transformou-se num verdadeiro conjunto, sobretudo a defender.

Por outro lado, o Benfica continua a ter nas suas individualidades a sua força. Defensivamente, estão muito atrás. Para além disso o colectivo pouco ou nada evoluiu em dois anos; todos sabem para quem a bola vai na hora decisiva, apesar das inúmeras soluções existentes e que exigiriam outro tipo de trabalho e qualidade, e na defesa o "troca-tudo" que Henrique Vieira utilizou durante toda a época é insuficiente para parar uma equipa com muitas soluções ofensivas, como é a do FC Porto.

O meu palpite é que o Benfica não será capaz de superar esta equipa do FC Porto. Por esta altura provavelmente o Henrique Vieira volta a estar com a cabeça a prémio, tal como aconteceu na temporada passada, restando saber quem está, desta feita, na calha para assumir o lugar em caso de eventual deslize. O ano passado julgo que todos sabemos quem e porque era.