quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Da democracia das coisas

Extracto da crónica de Leonor Pinhão, hoje, n'A Bola: (os sublinhados são meus)

"Deixem-me que vos conte uma história: o meu avô era um grande benfiquista e sempre que havia eleições votava no presidente que tinha terminado o exercício. Ou seja, nunca votou para derrubar uma Direcção. Algumas vezes o seu candidato perdeu e o meu avô (quando morreu era o sócio nº47) dizia sempre a mesma coisa: «Deus queira que fique por lá muitos anos porque é sinal de que continuamos a ganhar títulos.» E, com esse espírito, apoiava o recém-eleito como tinha apoiado o antecessor. E lá se continuava a ganhar títulos.

Entretanto passaram-se muitos anos e muitas coisas que deitaram por terra este critério e outros. Reconheça-se a Luís Filipe Vieira, por exemplo, o mérito de conseguir aquilo que era impensável, ou seja reeleger-se presidente do Benfica com votações brutais, praticamente sem oposição, sem ter de apresentar aquela carteira de títulos que, antigamente, era cartão-de-visita dos presidentes do Benfica.

Este Outubro vai voltar a acontecer a mesma coisa. No hora de votar, os benfiquistas vão reeleger o presidente do seu clube, alguns com fervor e gratidão, outros por desfastio, queixando-se de que não há alternativas. Assim caminha Vieira para um recorde que muito surpreenderia os nossos antigos.

Pela minha parte, tenho um pedido a fazer: que o presidente não consinta que tenhamos de ouvir, depois da próxima xistrada que o Benfica trabalha tão bem, tão bem, tão bem que até «estava avisado».

É que não podemos votar neles para a FPF e para a Liga e para o Conselho de Arbitragem e depois vir-mo-nos queixar de que fomos «avisados».

A par do empate em Coimbra e das outras circusntâncias já referidas foi esta a frase - a do «fomos avisados» - que contribuiu de modo decisivo para o incêndio da última assembleia geral.

O resto é democracia. E pode ser, há quem diga, um grande tormento. Mas isso toda a gente sabe. E o presidente do Benfica também."

2 comentários:

Conde de Vimioso disse...


Não sei se o teu avô ainda viveu a realidade presente já que eu ainda vivi a dele e ima gino, caso não a tenha vivido a amargura que sentiria perante um costraste que alé de nada ganhar também não expira um pingo de Benfiquismo.

PS-Porque de algum modo entronca neste post convido-vos a procurar este link:

http://www.eddg.gloriosasfera.com/

Abraço

VHugo disse...

há Algo a mudar no Benfica, mas não acredito que devam ser só os homens! Os homens podem manter-se os mesmos, é preciso é mudar de atitude e de vontades!Apostar no regresso da mística que tem andado arredada dos lados da luz...

http://www.forcamagicoslb.blogspot.pt/