quinta-feira, 31 de outubro de 2013

10 anos

Faz hoje 10 anos que Luís Filipe Vieira é Presidente do Sport Lisboa e Benfica.
10 anos que foram marcados por aspectos positivos, mas também por aspectos negativos.

10 anos que serviram para ainda não haver um discurso coerente com as acções. Quando se diz que há podridão no futebol português e as pessoas responsáveis sabem, nós, pela lógica, não deveríamos apoiar depois essas mesmas pessoas em lugar de destaque e extrema importância no futebol português. Chama-se a isso coerência.

10 anos em que o Presidente do Sport Lisboa e Benfica disse inúmeras vezes que não percebia nada de futebol. No entanto, ainda antes de ser Presidente, já tinha sido o responsável pelo departamento. Depois chamou José Veiga, depois chateou-se com Veiga e voltou novamente. Depois veio Rui Costa. Depois não quis Rui Costa. E agora, nem se sabe sequer quem toma conta do mesmo departamento. Se o Presidente, se o treinador, se Rui Costa, ou o macaco Adriano...

10 anos em que se fomentou o culto de "ou eu ou o caos", aludindo a tempos passados. Curiosamente, vindo da mesma pessoa, que em negócios paralelos com o principal rival do Benfica (aquando da sua passagem pelo Alverca), desfalcou o supostamente "clube do coração", ao servir de plataforma giratória de jogadores para o FC Porto.

10 anos em que se investiu como nunca em plantéis de futebol com um potencial imenso de vitória, mas onde se facilitou no mais óbvio: na organização da estrutura a acompanhar. Ponto fulcral para o crescimento sustentado de um clube de futebol, numa competição sempre desvirtuada e onde é preciso actuar e agir de outra forma.

10 anos onde se transformou o Benfica clube numa organização com cabeça, tronco e membros. Faltando no entanto, no pormenor essencial. Dotar a organização de benfiquistas. Gente que ame o clube e que o queira ver a crescer e a ganhar. Preferiu dar lugar aos "profissionais", despidos do fervor clubístico tão importante nos pequenos detalhes da tomada de decisão que é preciso ter aquando de determinadas soluções.

10 anos onde se continuou a fomentar o ecletismo do clube, com a manutenção das diferentes modalidades, mas onde a estratégia tem sido similar como no futebol. A ausência de estrutura organizativa que possibilite ao Benfica ter condições para vencer as principais competições anualmente e não de vez em quando.

10 anos onde vimos nascer o Caixa Futebol Campus, onde em cada ano, o discurso pela inclusão dos jovens jogadores do Benfica é sempre uma realidade, mas num Universo muito paralelo, onde os mesmos jogadores são cedidos a outros clubes, em detrimento dos estrangeiros carregados de comissões.

10 anos onde me recordo de ter visto passar pelas Assembleias Gerais do Sport Lisboa e Benfica todo o tipo de comportamentos que violam a história e os valores do clube. Onde os "seguranças" voltaram, depois do tempo de Vale e Azevedo, onde o Presidente da Mesa da Assembleia Geral interrompe os sócios que não gosta de ouvir, ou onde até o próprio Presidente promete "porrada" aos sócios, mostrando não ter nem capacidade argumentativa nem capacidade de razão crítica, quando as coisas estão mal orientadas.

10 anos onde nunca votei neste Presidente do Sport Lisboa e Benfica. Votei sempre em branco. Consciente do que fiz. Consciente do meu amor pelo clube e das minhas ideias e princípios para o mesmo. Consciente de que faz falta mais. E melhor.

Viva o Sport Lisboa e Benfica!

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Da casualidade

Já alguém perguntou a Bruno de Carvalho o que é que ele tem a dizer sobre os amigos dele terem feito o que fizeram?

Ou não interessa perguntar?

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Um Estádio... Um Presidente

Mail enviado pelo Presidente do Sport Lisboa e Benfica:

"Estimado(a) Sócio(a) XXXXXXXXX,

Hoje assinalamos o 10.º aniversário da inauguração do Estádio da Luz, mas assinalamos 12 sobre o processo, difícil, muito difícil, que nos conduziu até lá. O dia 25 de Outubro de 2003 assinalou um final feliz numa caminhada cheia de obstáculos que poucos acreditaram ser possível de ultrapassar. 

Conto-me entre aqueles que sempre viram na construção do novo Estádio da Luz o ponto de viragem na recuperação do Clube, uma injecção de confiança e auto-estima absolutamente necessária para salvar um paciente em estado terminal.

Num tempo em que faltava tudo, havia muitas vozes que diziam ser uma loucura avançar para a construção de um novo estádio. Pois bem, eu era um desses “loucos” e orgulho-me de ter acompanhado um homem fundamental na história do novo Estádio da Luz e do Clube, Mário Dias. 

Teve a grande virtude de resistir e de acreditar sempre que era possível, e essa capacidade foi absolutamente notável.

O Estádio da Luz foi uma batalha gigantesca travada em várias frentes. Sempre soube que o projecto era a única via de ressuscitar um clube que vivia amargurado e triste. Em tempos difíceis e de alguma descrença, espero que o 10.º aniversário do nosso estádio nos faça pensar um pouco de onde viemos e onde estamos, a forma estruturada como toda a recuperação do Clube tem sido feita. Ceder aos apelos populistas e demagógicos em tempos de dificuldades é comprometer todo o caminho percorrido.

Correndo o risco de esquecer alguém, não posso – por dever – deixar de agradecer o trabalho, a dedicação e a confiança de algumas pessoas sem as quais não teríamos razões para festejar esta data.

A Pedro Neto, Luís Seara Cardoso, Fonseca Santos, Tinoco Faria e Diogo Vaz Guedes, o meu obrigado por sempre terem acreditado que seria possível. Ao Mário Dias, o meu obrigado por nunca ter desistido! Ao Presidente Manuel Vilarinho, o meu obrigado pela confiança e apoio que sempre me deu as minhas decisões. A todos os benfiquistas e sócios fundadores um agradecimento especial pelo contributo que deram num momento tão decisivo na vida do Clube.
 
E, claro, à minha família, que também foi envolvida e autorizou o meu compromisso com a nova Catedral."



Os comentários são vossos.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Acerca do tema em discussão

É impossível não encontrar pontos de encontro entre o Governo do País e a gestão do Presidente Vieira: Futuro adiado.

Ponto de desencontro: O Benfica tem investido em muito bons jogadores, resultado: ZE-RO!(aqui, encontra-se e bem com o Governo)

Esta gestão AO NÍVEL DE RESULTADOS  É ZERO! E isto não é argumentação, é facto. Facto!

Carlos Queiroz, o maior embuste do futebol profissional português disse tudo:"gosto do futebol de Jesus."

Isto não é base para rescisão por justa causa?

Alternativas? Mudar de treinador, JÁ! Mudar o discurso, JÁ! Mudar a política de alianças com  inimigos jurados do Benfica, JÁ!

Fazendo isso, Vieira mostra que é um Presidente. Mantendo o que faz, Vieira é apenas dirigente em causa própria.


terça-feira, 22 de outubro de 2013

A grande vitória de Vieira

Não é o Estádio da Luz!
Não é o Centro de Estágios do Seixal!
Não é a Benfica TV!
Não é ser o maior clube do Mundo, segundo o Guiness!
Não é ter ido à final da Liga Europa!
Não é ter ganho 2 campeonatos!

É sim, ter fomentado a discussão entre benfiquistas dos mais diferentes quadrantes, seja nos blogs, nas conversas de café, nos encontros de família ou até no próprio Estádio a opção de alternativas.
É sim, ter fomentado a discussão de "ou eu ou o caos", "do regresso ao passado" ou outro tipo de argumentos que faz com que os benfiquistas se sintam divididos entre o Presidente ou mais alguém e não tenham tempo sequer para pensar no Benfica, no que ele representa e no que ele poderá representar.
A grande vitória de Vieira é esta: perpetuar-se no poder, usando e abusando da propaganda típica dos grandes ditadores, usando forças de bloqueio para o desenvolvimento próspero do clube.

E sempre que há algum problema, a nossa típica mentalidade portuguesa de querer tudo certinho, tudo arranjadinho e tudo bonitinho (à boa maneira de Salazar) fez com que nós não pudéssemos desenvolver o clube como queríamos.

O recente episódio propocionado pelos blogs "Benfiliado" e "Ontem Vi-te no Estádio da Luz" é a prova provada de que a divisão é evidente. Ambos vivem o Benfica à sua maneira muito própria, mas o clima que se proporcionou, faz com que nós, os benfiquistas, finalmente queiramos ou não acordar para esta situação de "ou eu ou o caos".

Volto a repetir uma frase que não me canso: "Ainda o país vivia no manto escuro da ditadura e já o Benfica dava lições de democracia ao país!".

Faz falta este Benfica. E fazem falta os benfiquistas que sintam o clube como tal e como foi forjado nos anos que nos deram glória, mas acima de tudo, valores e responsabilidade.

O Benfica não é o clube mais pacífico para uma linha orientadora e de pensamento único. A matriz do Benfica não é isso. Foi precisamente o contrário que fez com que o clube se elevasse e conseguisse triunfar num país cinzento, mortiço e amordaçado. Hoje em dia, o Benfica parece-se mais com esse país do que com a sua matriz histórica.

O ex-presidente do Alverca, que várias vezes festejou golos dos adversários do Benfica está de parabéns! 

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Também há boas notícias

A Benfica TV tem 250 000 assinantes e dia 17 estreia o segundo canal.

Parte importante da coisa: o sucesso desportivo é fundamental para alavancar o sucesso financeiro!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

De quem é a culpa do Benfica, à 6ª jornada, ter perdido 7 pontos?

Dos árbitros - 75 votos (31%)
De Luís Filipe Vieira - 63 votos (26%)
De Jorge Jesus - 27 votos (11%)
Dos jogadores - 6 votos (2%)
Da estrutura do futebol profissional - 65 votos (27%)

Foram estes os resultados, ao fim de uma semana, e antes do jogo com o PSG, que os cerca de 236 votantes deram a conhecer.
Ou seja, 31% das pessoas pensa que os árbitros são os principais responsáveis pelo Benfica perder pontos, enquanto que 26% pensa que a responsabilidade é do Presidente e 27% da estrutura de futebol profissional.

Hoje vou deixar o Presidente sossegado. Centremo-nos na estrutura profissional do Benfica. Se perguntarmos aos adeptos e sócios do Benfica quem conhecem da estrutura profissional, que nomes se vão lembrar? Jesus? Rui Costa? Vieira? Lourenço Coelho? Shéu? Carraça? Será que ainda alguém se lembrará do Carraça? Pedro Guerra? Mais alguém? Pois...

"A estrutura profissional"... Esse nome tão pomposo e bonito, que consegue ser o maior dos antídotos, sem se conhecerem os efeitos secundários. A dita estrutura que é incapaz de prever o que pode acontecer no futebol português, numa rotina que já tem mais de 30 anos.

Há erros dos árbitros? Há! Mas há em todos os jogos. Uns com benefício e outros com prejuízo. É sempre assim. E sempre assim foi. A teoria de que os homens do apito prejudicam sempre o Benfica faz-nos caminhar para a "sportinguização". 

Não era preciso ser um visionário para saber que a permanência de Jorge Jesus ia ter riscos. Mais ainda do que nos anos anteriores. Era por isso, também saber proteger o treinador, custasse o que fosse preciso. Nada se fez. Jesus vai sendo cozido calmamente em lume brando, até o "caldo ficar entornado". Nada disto foi pensado. Nada disto foi ESTRATEGICAMENTE pensado. 

Os votantes da sondagem têm razão. Em três prismas. Mas basta olhar para a estrutura do Benfica e juntar dois mais dois...

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Salvar a época

Neste momento podemos ganhar quase tudo( dizer que se quer ganhar a Champions é pura idiotice), com JJ não iremos ganhar nada.

Que diabo, tanta teimosia em manter JJ! Não dá, já não dá!

Neste momento a Direcção tem de ter sentido prático, e sentido de negócio.

1) Quantas assinaturas se vão perder da Benfica Tv quando o Glorioso estiver arrumado no Campeonato?

2) As bilheteiras vão continuar ( no meio da crise) a encher o Estádio?

3) Que rentabilização de jogadores será feita se estes já não podem com o Treinador? E por consequência, deixaram de jogar?

Vamos parar de ter medo. Vamos parar de ser benfiquinha, contentes com quases, detentores de nada.

A que se agarra Vieira para não despedir JJ? Ao Benfica? Não pode ser, está visto que esta Nau com estes timoneiros não chega ao porto. Metafórica e realisticamente falando.

O Benfica precisa de uma lufada de ar fresco. Está visto que esta Direcção, como o Governo, não sabe escutar os sinais. Agarra-se ao Poder. Mas pode mudar de ministro, e às vezes uma boa remodelação faz milagres.

Viva o Benfica, o Verdadeiro!