sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O Natal

Costuma-se dizer que o Natal é um tempo de recolhimento, de compaixão, da união da família e da comida.

Recolhimento
É bom que se faça uma introspecção e se veja o que realmente tem falhado ao Benfica este ano, nas outras competições, que não o campeonato.
É certo que caminhamos bem, actualmente, para a revalidação do mesmo, mas as exibições paupérrimas na Champions League e a eliminação da Taça de Portugal, ontem frente ao Sp.Braga mostraram que este Benfica serve para consumo interno e mesmo assim, é curto.
O guarda-redes do Sp.Braga pode ter feito uma exibição consistente, mas faz parte do jogo e isso é uma inevitabilidade. Vimos ontem que Pizzi ainda não pode ser Enzo Pérez, ou pelo menos, ocupar a posição 8. E vimos que continuamos com limitações em termos de posição (o lateral esquerdo continua a ser uma cruz a carregar há anos).
O Sp.Braga também tem o seu mérito, porque é uma equipa difícil, mas a conjuntura de ontem mostrou que, apanhando adversários que saibam o que fazer em campo, o Benfica sente muitas dificuldades em colocar o seu jogo.
É bom que o recolhimento que vai haver (curto, é certo) sirva para ver o que há a mudar.

Compaixão
E por isso mesmo, é necessária compaixão. Compaixão para perceber o que fazem no plantel Benito (se quase nunca é opção), Jara (???), Nelson Oliveira (que de bandeira da formação fez um jogo na Champions e porque já nem o prémio de 1 milhão de euros servia de interesse para a equipa), Lisandro Lopez (que de suplente de Jardel, passou a 4ª opção) e Bébé (que continua a ser aposta para uma ala, quando se vê que não vai ser ali que ele realmente tem utilidade).
Compaixão para saber se haverá mudanaças em Janeiro e quais serão? Compaixão para saber se alguns dos talentos da equipa B terão a sua oportunidade na Taça da Liga e mesmo depois no campeonato?
Compaixão para que Enzo e Gaitán não queiram ir ganhar o dobro para um clube que tem as mesmas provas para disputar que o Benfica, mas que está num ambiente completamente diferente da pobre Liga Portuguesa?

União da Família
E essa união da família? Manter-se-á? Já vimos que a própria Autoridade da Concorrência e a Liga, com o beneplácito de Benfica e FC Porto, salvou Joaquim Oliveira uma vez mais. É esta família a que interessa preservar. Porque os amigos são para as ocasiões, e se Oliveira o foi, mais do que uma vez, Vieira faz questão de retribuir, nem que seja por mais 3 anos (até 2018).
A mesma família, que durante anos e anos, alimentou o futebol português, com os mais variados casos, mantém-se unida. Mantém-se com os mesmos objectivos e mesmo que uma vitória no Dragão faça ver que "já não é como dantes", outros valores mais altos se elevam e esses, meus amigos, mantém á tona os verdadeiros interesses de família.

Comida
E com esses interesses, chegamos à comida. Veremos quem sai e quem chega em Janeiro. Se quem sai, será para equilibrar as contas, para entrar, será para quê? Equilibrar o plantel? Manter a qualidade? Veremos, sendo que a fome nesta altura é propícia a estas tomdas de decisão.

BOM NATAL!

Sem comentários: