quinta-feira, 12 de abril de 2012

Parvoíce, fé inabalável ou outra coisa qualquer...

Meus Caros Colegas de Blogue, Amigos, Leitores e por aí fora:


De há uns tempos a esta parte tenho feito um exercício de auto-contenção na escrita como na forma de viver antecipadamente cada jogo deste época (designadamente, desde o início do ano quando as coisas realmente começam a contar) mais como defesa psicológica e até superstição do que outra coisa.

Vejo-me confrontado - como tantos senão todos - com a antecipação de sofrimento e mentalização de não sermos campeões e, olhando mais à frente, com tudo o que isso acarreta.

Tenho muitas e prolongadas reflexões sobre tudo isto mas não é a hora nem o local de as explanar. Novamente, por defesa psicológica e fezada. Com a raiva pós-jogo lá vomito algo aos que me estão mais próximos e por aí fico.

Só que o Benfica ainda não perdeu nada! Agora em grande, é defesa psicológica e superstição!

Mas, atente-se:

- qual o sentir dos adeptos do Depor quando o Djukic perde o campeonato no último minuto?

- e os do Bayern contra o Man. United na baiúca catalã?

- e tantos outros exemplos?

É queo s porcos, têm a roubalheira mas não jogam nada:

- bem podem perder com o Marítimo;

- bem podem empatar com os lagartos (e importante o Paços ganhar ao Braga para a lagartada espreitar o terceiro lugar e poder chegar a algum balão de oxigénio que evite a insolvência);

- bem podem cair em Vila do Conde na última jornada (sendo fundamental que o Benfica ganhe ao Rio Ave, um dos poucos clubes submissos, e beneficie destes ainda estarem na luta pela manutenção;

Difícil? Claro! Impossível, claro que não!

Não tenho falado presencialmente com o meu querido amigo inespugnabile mas sei que ele tem a mesma fé que eu. É por que algo está no ar.

Aos mais reticentes: na Nova Catedral, sempre que, no calor da emoção em festejos de golo parto a cadeira do meu também querido amigo que vê a bola à minha frente, somos campeões!...

Fé nisso!

Força Benfica! Que em Coimbra se cumpra o mais que devido. Tónico emocional para todos até ao fim. E é necessária a presença da onda vermelha!

P.S.: Apesar dos contactos tidos para o efeito, nunca foram atendidos os pedidos de substituição da cadeira partida e responsabilização pelos respectivos custos...

P.S. 2: Se o Glorioso almejar o 33.º, estão convidados a ver, a meio do Parque Eduardo VII, 33 tochas a arder!

1 comentário:

Pedro disse...

Caro Cuore..é mesmo impossível...

Infelizmente...