quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Dissecando a entrevista - Ideias para o Benfica (I)

Ponto de introdução:
. Este dissecar da entrevista do Presidente do Benfica não é bota-abaixo, como muitos gostam de intitular este blog. Cada um terá as suas razões. Serão colocadas partes da entrevista e depois o respectivo comentário com IDEIAS para o Benfica. É nisso que batalhamos. IDEIAS para o Benfica. Porque o clube está acima de tudo e todos.

Comecemos com o tema do momento: Pablo Aimar. E a juntar a Pablo Aimar, colocamos o futuro competitivo do Benfica.

"E Pablo Aimar, sem dúvida um caso especial de talento e entrega, vai continuar mais um ano de águia ao peito?
- Queremos manter todos os bons jogadores e, sem dúvida, que Pablo Aimar se enquadra, com toda a justiça, nesse grupo de jogadores. Na mensagem que enviei na homenagem que a embaixada da Argentina teve oportunidade de promover, disse que há jogadores que deviam ser eternos e ele é um desses. Estamos extremamente satisfeitos com o seu futebol, com o seu profissionalismo, com o seu carácter, mas é evidente que ele ficar cá não depende só de nós. Até pelo que disse atrás, em relação à situação económica que vamos viver, é preciso que o Pablo nos ajude a concretizar o nosso desejo. Ele já se tornou, por mérito, numa das referências da massa associativa. E mais não posso dizer..."

"Aproveitar melhor a formação e apostar cada vez mais na prospecção, interna e internacional, é a fórmula a seguir?
- É evidente que vamos ter de aproveitar melhor a formação, mas não ao ponto demagógico de pensar que todas as soluções se podem encontrar na formação. Vamos ser equilibrados e tentar manter um nível elevado. Mas que ninguém se iluda, não estamos em condições de prescindir do mercado internacional, nomeadamente do mercado sul-americano. Se fizermos uma viagem aos nossos últimos dois anos, vemos o David Luiz e o Ramires no Chelsea e o Di Maria no Real Madrid, três jogadores que nos deram muito em termos desportivos e em termos financeiros."

"Portanto, a equipa B do Benfica vai ser uma realidade?
- Seguramente. Já estou a trabalhar nela. As equipas B eram uma necessidade. O Benfica é como uma empresa multinacional, deve fazer prospecção de mercado, deve contratar quando isso é financeiramente vantajoso e quando há uma garantia mínima de sucesso no futuro. Não significa que todos os jogadores contratados tenham de trabalhar de imediato na casa-mãe. Alguns vão ter de rodar, para ganhar experiência, para poderem regressar mais tarde. Se em vez de o terem de fazer em outros clubes o poderem fazer numa equipa do próprio clube, tanto melhor. É uma decisão que peca por tardia."

Pablo Aimar é um dos jogadores mais bem pagos do Benfica. Também é o seu melhor jogador. O mais clarividente, o mais inteligente. O melhor. O salário que lhe é pago é justo, tendo em conta a qualidade do jogador e o seu rendimento dentro e fora do campo, no que à defesa do Benfica diz respeito. Não se percebe como é que um clube como o Benfica pretende que Pablo Aimar baixe o seu salário em detrimento da situação económica do país.
E neste contexto, entra a questão dos jogadores emprestados. Neste momento, o Benfica tem 27 jogadores emprestados (Oblak, Júlio César, Fábio Faria, Sidnei, Léo Kanú, Roderick, Shaffer, Carole, Wass, Airton, Nuno Coelho, Filipe Bastos, Fernandéz, Leandro Pimenta, Carlos Martins, Élvis, Miguel Rosa, Yartey, Éder Luís, Urreta, Filipe Menezes, José Coelho, Franco Jara, Alan Kardec, Alípio, Hélio Vaz e Melgarejo). 27 jogadores é praticamente um plantel. Nestes 27 jogadores, quantos têm ou terão capacidade para voltar a vestir a camisola do Benfica? E desse lote de jogadores que não terão capacidade de vestir a camisola do Benfica não se poderá pagar a Aimar o que falta para assinar por mais uma época?
Se calhar, estamos a ver mal as prioridades.

Isso leva-nos também ao futuro competitivo e à equipa B. Todos os anos, saem da equipa de Juniores do Benfica, pelo menos 15 jogadores, devido à sua idade. Não há dúvida que a equipa B é uma óptima ideia, mas é bom saber quais os motivos que levaram à sua extinção no início da década: os problemas financeiros e a impossibilidade de subirem até à Liga de Honra. A segunda parte está resolvida e a primeira? É que tendo numa equipa de 27 jogadores, 15 que já pertencem aos quadros, minimiza um pouco o impacto financeiro sobre a equipa e apoia a consequente redução de gastos, tendo em conta a situação económica do país e do clube. E ajudamos ao mesmo tempo os nossos. Os quais gastámos dinheiro na sua formação. Que tenham pelo menos a possibilidade, de durante dois anos, servirem de ajuda à equipa principal (quando necessário) e ao mesmo tempo, cresçam enquanto jogadores no seu "habitat" natural.

Por fim, a preferência pelo mercado sul-americano. Temos casos muito bons (David Luiz, Ramires, Di Maria, Gaitán) e temos casos muito maus (Fernandéz, Kardec, Éder Luís, Andrés Diaz). Será uma prioridade, sim senhor, mas com cabeça, com análise táctica e técnica do jogador, e de preferência, com olheiros que sejam mesmo adeptos do clube e não de clubes adversários, como é o caso actual. 

Ideias base para o futuro competitivo do Benfica:
- Manutenção dos jogadores-chave e importantes do plantel principal, criando uma base de jogadores identificados com o clube durante largos anos
- Criação da equipa B com jogadores provenientes da formação e outros que tenham a possibilidade de jogar quer na equipa B, quer na equipa principal. A equipa B servirá também para a o processo de recuperação física dos jogadores que tenham tido lesões, por forma a recuperarem ritmo de jogo.
- Foco de contratação no mercado sul-americano (mercado mais barato), mas também no mercado europeu, em jogadores em final de contrato (há sempre bons negócios para fazer) ou em jogadores com potencial (Axel Witsel é um bom exemplo)
- Criação de um modelo de jogo (não é sistema de jogo) igual para todos os escalões do clube, por forma a não haver uma diferença tão grande em passagens de escalões de formação, até à equipa B e depois à principal.

5 comentários:

Fehér 29 disse...

Concordo com grande parte com o que escreveste. Não no spodemos esquecer, contudo, que os clubes brasileiros (atendendo à actual condição económica do Brasil) já não vendem os seus melhores jogadores por 5 tostões. Na minha opinião o mercado do leste (esloveno, sérvio...) merece cada vez mais atenção das maiores potências europeiras. Já para não falar do mercado chinês, que traria também, indissociavelmente, uma benesse na vertente económica

L. disse...

concordo com quase tudo. quanto aos juniores, acho que por ano nao havera a sair mais que 4 ou 5 realmente com potencial para poderem singrar ao nivel necessario para o SLB. e mesmo assim... a equipa b pode ser uma coisa boa.

aimar... ja li noutros blogues analogias com saviola. a coisa nao e assim tao simples.

o saviola quando veio, aceitou ganhar menos 40% que no real, mediante o pagamento de um premio avultado de assinatura - 3 dos 5 milhoes da transferencia foram para ele. no fundo, dividindo esses 3 milhoes pelos 36 meses do contrato, acabou por ganhar quase o mesmo. agora, nao foi aumentado, e o premio de assinatura foi apenas o standard nestas renovacoes. na pratica, o saviola aceitou ganhar muito menos.

o aimar e diferente: ele veio ganhar o mesmo que no saragoça. nao sei o que pede ele agora, ate porque sabe estar em alta e tem o sonho de regressar ao river. eu sou da opiniao que se deve dar uma proposta generosa, mas nao louca ao aimar. por mim, oferecia-se o mesmo que ele ganha agora, mais um premio de assinatura simpatico. e a partir daí, negociar. vamos ver. e oferecia-lhe um contrato de dois anos, ou mesmo 1 + 1 se ele preferisse.

Jose disse...

Viva o Benfica.

Irons disse...

Só vou comentar a parte do modelo de jogo e da equipa b. O Ajax e o Barcelona já o fazem há muito tempo, sendo o Barcelona, actualmente, o expoente máximo, visto ter criado uma autêntico viveiro, pois quando na equipa principal, meia equipa titular não joga, a que joga não faz sentir a diferença, porque o modelo é igual, as peças é que são diferentes!

MS disse...

COncordo com o post e com a generalidade dos comentarios. Gostaria de comentar apenas um ponto do que escreveu o Lambe.

Numa altura em que lidamos com Enzos e Rubens, e habituados a declaracoes contraditorias sobre o compromisso com o clube dependendo da localizacao do aeroporto onde sao feitas em todas as pre-epocas, incluindo pelo seu capitao de equipa, nao se pode passar a mensagem que o comportamento dentro e fora de campo de um atleta como Aimar apenas e reconhecido desde que nao se tenha que contar os trocos.
O beneficio de continuar com Aimar, e precisamente sem revisoes salariais, demonstrando a todos os outros que se sabe reconhecer quem o merece, ultrapassa a meu ver o beneficio de contratar Mora qdo ja temos varios avancados no plantel e emprestados, ou contratar o Copetti quando temos varios GR no plantel e emprestados, com toda a consideracao que estes atletas do Benfica merecem. Mas, como diz o Mister D, sao prioridades e a meu ver questionaveis, se nao mesmo criticaveis.