quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Do comentário, à posta - II

Comentário colocado no "Ontem Vi-te no Estádio da Luz", acerca da questão Olivedesportos:

"Meus caros,

As receitas dos clubes de futebol dependem de três vectores importantes:
- bilhética
- merchandising e acordos comerciais
- direitos televisivos

Se olharmos para as contas do Benfica dos últimos anos, vemos (e ainda bem) que os direitos televisivos só representam 10% das receitas.
Ainda bem, porque do outro lado se vai fazendo algum trabalho com o merchandising, mas sobretudo com a bilhética, aproveitando os jogos da Champions League.

Só em prémios da UEFA, de participação, o Benfica recebe mais do que a Olivedesportos. Isso é inaceitável. Além do mais, é ainda mais inaceitável que se façam contratos a 10 anos com uma empresa de publicidade que detém um canal de televisão, por valores ruinosos, tendo em conta aquilo que o clube lhe dá em troca.

A questão dos direitos televisivos, é assim, neste caso, um mal menor. Obviamente que é uma importante fonte de receita, que está assegurada, durante algum tempo (5 anos como limite máximo para qualquer contrato), mas que servirá, neste caso concreto, para equilibrar as contas e não o contrário.

Se olhamos para as receitas novamente, nota-se que para um clube como o Benfica chegar aos 100 milhões de euros, tendo em conta a capacidade do país, a sua geografia e espaço e a própria dimensão do mercado é digna de realce. Mas uma das questões fundamentais ser o que fazer com 10% dessas receitas, acho um pouco redutor.

E aí, entra-se noutro campo de actuação. Olhando para os gastos do clube, notamos que há ali muita coisa mal gerida do ponto de vista, por exemplo, dos gastos com pessoal. Se é inconcebível pagar-se 300 mil euros por mês a um treinador que não ganha mais do que uma Taça da Liga por ano, então o que dizer dos excedentários que fazem parte do plantel e para os quais estamos a pagar e bem, aumentando os custos totais do clube, neste caso da SAD?
O bom senso diz que é necessário haver um equilíbrio entre as receitas e os custos. Se garantirmos que os melhores jogadores ficam por cá, se garantimos que ganhamos competições (que não Taças da Liga) com uma equipa competitiva e de nível, o valor residual de 15 jogos em casa, onde apenas 3 têm interesse estratégico ao nível de audiências (FC Porto, Sporting e Sp.Braga), então sou a favor de não renovarmos o contrato com a Olivedesportos e de vendermos os jogos individualmente.

Sejamos sérios e honestos, o dinheiro que a Olivedesportos coloca ao dispor dos clubes, via BES e Millennium BCP está prestes a acabar, daí as sucessivas renegociações que o grupo Controlinveste procura todos os anos.

E neste sentido, tendo o Benfica o poder negocial na mão, é mais fácil até, vender-se os jogos a outros canais que não a Sport TV.

Por mim, não renovo por tudo aquilo que representa: acabar aos poucos, com o sistema que vem minando isto há 30 anos, e finalmente, ver o Benfica com algum poder negocial na mão."


6 comentários:

moleculasdeamor disse...

Este é o caminho da liberdade!

Seismilhoesum disse...

Mas se ESTE (10%) é o valor dos direitos televisivos .... onde é que está a dúvida quanto ao caminho a tomar?

GM disse...

Note-se bem a pertinência da pergunta do Seismilhoesum....

O Benfica de Magritte disse...

Também preferia não renovar com a Olivedesportos, mas atenção, eu estou perfeitamnete consciente que significa trocar o ovo no cu da galinha (um ovo de +-20M pelo que se diz) por um salto no escuro.
Depois, os tais excedentários renderam neste verão em empréstimos quase tanto o Sporting conseguiu na venda do lateral direito da selecção ;)

slb1958 disse...

Direitos televisivos valem 10%, porque o valor é baixo, e é isso mesmo que se pretende alterar, na medida em que a média rondará os 35% a 40%.

Coach disse...

Gostava de trocar links convosco para o meu novo blog. http://xxxbenficaxxx.blogspot.pt/
Não é para "bons" adeptos...