sexta-feira, 4 de maio de 2012

Das entrevistas

Jorge Jesus e António Carraça deram ontem entrevistas. Um ao jornal A Bola e outro à Benfica TV.
Estranho como as entrevistas de balanço de época são feitas antes da época acabar e antes dos objectivos estarem atingidos.

Nas duas entrevistas, pontos em comum:

- O Presidente anda a fazer um extraordinário trabalho, esteve sempre presente nos bons e nos maus momentos
Eu acho que aqui há uns certos equívocos. O Presidente não fez um extraordinário trabalho e não esteve presente nos bons e nos maus momentos. Só esteve presente nos bons.

- A culpa do Benfica não ser campeão é por causa dos árbitros e dos seus critérios
A culpa do Benfica não ser campeão é a de termos uma "estrutura" (como lhe chamou várias vezes na entrevista Carraça) que sabia o que aí vinha e nada fez para evitar o descalabro. A culpa do Benfica não ser campeão é a de que a humildade, o querer e a vontade de vencer não existiu em jogos em que estas vertentes eram necessárias e não foram aplicadas. A culpa do Benfica é fazer passar a ideia de que se não fossem os árbitros (esses malvados), o título tinha sido um passeio...

- A próxima época já está a ser preparada há muito tempo
Folgo em saber que os erros vão-se manter. A soberba vai-se manter. A arrogância típica de quem se acha o melhor treinador do Mundo e arredores vai-se manter. E a incompetência também. Mas desta vez, vem com relatórios apresentados à SAD e com a sensação de que o futebol é, hoje em dia, uma actividade económica. E sendo uma actividade económica há que fazer dinheiro com o mesmo, hipotecando assim o sucesso desportivo. E além disso, voltamos aos discursos de querermos ganhar a Champions, devido à mesma estrutura que conseguiu em dois anos, ser "comida" internamente da forma que foi.

No fundo, a "estrutura" que rege o futebol profissional do Benfica segue imparável, sem que ninguém os faça prestar contas convenientemente. E seguirá imparável na medida em que os que exigem, os que sofrem, os que contestam, ou são apelidados de "abutres", ou não são do Benfica ou são identificados e detidos num espaço público.
Também foi assim de 1928 a 1974. Depois, tudo mudou...

1 comentário:

B Cool disse...

soberbo