quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Os Actos da História (II)

II - Do Campeonato do Mundo até início da época


Com o decorrer do Campeonato do Mundo e com a entrevista de Vieira à SIC, era notório que o trabalho de Rui Costa no Benfica estava a perder importância face ao Presidente. A célebre frase de estar a aprender, vindo da pessoa que já tinha dito que não percebia nada de futebol e que a nau estava bem entregue ao comandante Rui, era a estocada final nas aspirações de Rui Costa negociar o que quer que fosse. O Benfica tinha sido campeão, havia a possibilidade de fazer inúmeros negócios com a vitória e se em 2005/2006 isso tinha acontecido, porque é que em 2010/2011 não voltaria a acontecer?


Durante o Mundial, Di Maria é vendido ao Real Madrid muito abaixo da cláusula de rescisão, sendo assim o jogador do Benfica que o Presidente tinha dito que sairia abaixo do valor. Logo houve outros que reivindicaram o mesmo, porque tinham chegado ofertas tentadoras e incomportáveis para o futebol português, mesmo para um clube como o Benfica. Cardozo foi um dos alvos e carecendo da informação sobre o valor que o Shakhtar Donetsk ofereceu pelo avançado, os números foram bem elevados, quer para o Benfica, quer para Cardozo. Luis Filipe Vieira recusou, com o argumento da venda de Di Maria.


Entretanto, começam os negócios a ser feitos, e os pedidos que Jesus tinha feito tardam em aparecer, especialmente Huntelaar. Com a ida de Quaresma para o Besiktas e com as negociações para Simão voltar a serem difíceis, o treinador encarnado pede Andrés Guardado, do Deportivo, para substituir Di Maria. Urreta é assim emprestado à Corunha com a promessa de vir o mexicano, mas só existiu um caminho: o de ida. Faltou o da volta.


Jesus tinha pedido também um guarda-redes que desse pontos e garantisse maior segurança à equipa do que Quim. Moreira seria para manter (interessa por questões desportivas via UEFA) e Júlio César é uma aposta pessoal do treinador. Depois de Vieira não ter querido avançar para Akinfeev em Janeiro, por uma oferta um pouco superior a 5 milhões de Euros, em Junho decide-se por um conjunto de nomes onde estavam incluídos Amelia e De Gea, do Atlético de Madrid. Amelia opta pelo Milan e sobra De Gea. Vieira vai a Madrid nos seus périplos negociais e fala com Cerezo. Este diz que De Gea não é para vender, mas que tem um Guarda-Redes que é capaz de servir os interesses da equipa. Após alguma discussão no interior da SAD, é dado o aval, mas o valor pago por Roberto não é justificado pelo Presidente. Estava encontrado um dos primeiros focos de contestação interna do plantel, com a aquisição de um jogador que não é brilhante tecnicamente e no qual a defesa não sente confiança, não justificando assim o valor dispendido. Entretanto, o Benfica adquire Oblak, jovem de 17 anos que será para rodar. Mais um 1,7 Milhões de Euros num guarda-redes. Numa época, o Benfica consegue gastar 10 milhões de Euros em dois guardas-redes, em que a soma das idades dá 41, mais 7 do que a idade de Quim, o guarda-redes dispensado.


Aquí se vê que a estruturação da época estava a ser mais ou menos planeada. Jara e Fábio Faria tinham sido contratados, mas para segundas escolhas. Gaitán seria o substituto de Di Maria para os mais incautos, porque joga de pé esquerdo, mas bastou ver dois jogos para se notar que Nico seria mais um substituto de Aimar do que de Di Maria. O problema no lado esquerdo continuava…


3 comentários:

Manuel disse...

"A história é demasiado séria para ser deixada aos historiadores". Iain MacLeod.

"O talento dos historiadores está na criação de um conjunto de factos que são apenas meias verdades". Ernest Renan.

basten disse...

essa do akinfeev por 5 milhões acho um pouco duvidosa... onde ouviste isso?

Mister D disse...

Meu caro basten,

Foi oferecido ao Benfica por esse valor!

Como é óbvio, não te posso revelar as fontes, mas sei que a oferta aconteceu...