quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Os números não dizem tudo

Ana Bola, num dos programas "Lado B", com Bruno Nogueira, na RTP, disse que os artistas e profissionais que trabalham com estações de TV privadas estão sempre dependentes dos números que aparecem num mail no dia seguinte. Esses números ditam se o programa continua ou não, no mesmo horário ou não. Com a informação, o efeito é similar, mas funciona como alavanca para o resto da noite, o chamado "prime-time".

O Presidente do Benfica ia ser entrevistado depois de um período mais ou menos conturbado na pré-época e o jornalista tinha a faca e o queijo na mão para poder brilhar, fazendo perguntas contudentes, incisivas e importantes para o passado, presente e futuro do Benfica. E para isso, tinha 25 minutos. Perdeu nesses 25 minutos a oportunidade da estação ganhar alguma coisa (lá estão os números a ditar) e ter um dia bom.

Foi alguma coisa falada nos 25 minutos que a SIC deu a Luis Filipe Vieira. O Presidente falou de temas que o inespugnabile tinha colocado antes no blog (mais um ponto a favor da credibilidade do mesmo), mas não falou de outros.

Ao contrário de outros, para mim, a frase da entrevista é a seguinte: "Não vão depois dizer que não foi nada com eles", referindo-se ao Sec. Estado do Desporto, Laurentino Dias. Eu jurava que estava a ouvir o Presidente a falar dele próprio, quando toma as decisões e remete para os outros as responsabilidades negativas.

E por isso, ontem, disse que Roberto tinha sido pedido por Jesus. Também disse que quem foi negociar quase todos os jogadores que estão no Benfica foi ele (Rui Costa?), que não estava preocupado com a Selecção, mas que depois descascou forte e feio no Laurentino e que se Di Maria não tivesse saído, Gaitán não tinha vindo.

Sobre Simão, a negação total e completa de um negócio que se soube, esteve em cima da mesa, e não era preciso o Correio da Manhã vir ontem com a suposta "caixa". Pediu respeito e igualdade nas arbitragens. Pediu fair-play e preferiu não mexer na trampa que mora no Freixo, para não baixar o nível.

Sobre Mantorras, preferiu optar pelo discurso do pobre coitado, que por acaso, sendo funcionário do clube deveria ter mais respeito pelo mesmo, entrando num ensaio de melancolia, sabendo que o negócio africano está por detrás de tão jovem retirada dos relvados.

Foi concretamente um discurso de encomenda. Perdeu-se demasiado tempo com o tema Selecção, com a defesa de Queiroz e menos com problemas importantes e de estratégia fundamental para o Benfica como os direitos televisivos, a preparação da pré-época, as relações com a Liga, o aumento do passivo, os gastos nas contratações e outros temas tão bem mais interessantes para os benfiquistas do que os que foram abordados.

No final, a rábula da entrega da camisola foi apenas o confirmar de que algo estava planeado e mais uma vez, em directo, a figura foi envergonhada com um simples "Em directo, não. É melhor no final do jornal!".

Por causa dos números, a entrevista que poderia ter tido algum valor, ficou-se pela simbologia. As expectativas, uma vez mais, defraudadas...

15 comentários:

Irons disse...

Não sou defensor do LFV, sou defensor do Benfica, mas porra, Mister D, porque não te candidatas à presidência do Benfica quando for altura disso? Todos temos direito a opinar sobre o Benfica, eu em muitos aspectos estou de acordo contigo, mas, acho, que se achas que é de mudar muita coisa, quando for altura das eleições fazes uma lista, candidatas e aí fazes como entenderes!Isto nunca vai agradar a gregos e nem a troianos!Neste caso a ti e ao inespugnabile! O mesmo digo a ele, candidatem-sem, porra, com as vossas ideias isto pode andar para a frente!
Saudações Benfiquistas!

Mister D disse...

E tu, Irons? Tens ideias? Ou não te queres candidatar?

Talvez se fizermos um abaixo-assinado (eu e o inespugnabile) possamos apresentar uma lista, o que te parece?

O que um critica e o outro elogia dá para chegar a um consenso, não achas?

É surpreendente é o discurso das "candidaturas"... só isso...

TC disse...

A entrevista foi muito fraca, a começar no entrevistador e a acabar no entrevistado.
Não gostei mesmo nada, e perdeu-se uma bela oportunidade de se dizerem umas verdades a respeito das arbitragens e vários condicionalismos protagonizados pelos Srs que mandam nisto.

jose disse...

Independentemente daquilo que o LFV disse, viesse a dizer, das perguntas feitas, e daquelas que ficaram na gaveta, a entrevista nunca seria boa.

Se fala e porque fala, se nao fala, deveria. Nunca ir agradar a gregos e troianos.

Meus amigos, a entrevista foi o que foi, o resto agora sao opinioes.

Tiago Pinto disse...

estas eram as minhas perguntas para vieira:

http://benficadependente.blogspot.com/2010/09/as-minhas-perguntas-para-vieira.html

Hugo disse...

Tens uma azia muito grande com o LFV.
A entrevista não foi nada de especial mas o Nosso Presidente não este mal.
As perguntas é que foram fracas.

Mister D disse...

Meu caro Hugo,

A minha azia com o LFV já é conhecida há muito tempo.

Se a entrevista não foi nada de especial, deve-se a vários factores, que já enumerei acima.

Também não disse que ele esteve mal. Apenas que não se falou no que devia ter falado...

Hugo disse...

Correcto Mister D.
Relativamente à azia, são opiniões e só temos é de respeitar.
Muitas vezes tb não concordo com o LFV, mas não lhe "bato" por tudo e por nada. Já cometeu muitos erros, mas também já fez muito pelo Benfica.
Relativamente às entrevistas nas TVs, também nunca ouvi um jornalista a perguntar ao Porco Corrupto, sobre a "fruta", as visitas de "estudo" em sua casa, etc, etc.
Os Nossos jornalistas são fraquinhos e uns "cagados", vivem com medo.
Aquilo que vimos do jornalista RGC é um hábito em Portugal, só perguntam o que não interessa.

DeVante disse...

Éh páh

Em (boa) verdade, a entrevista nunca devia ter existido.

Enquanto nos andam a roubar à força toda, enquanto o clube corrupto se anda a reforçar nas estruturas de futebol, do governo e na justiça e a ser escandalosamente beneficiado nós andamos a discutir a performance do nosso presidente numa entrevista...

Cantanhede disse...

Caro Mister D,
azia é uma coisa, cegueira generalizada é outra!
Não duvido sequer do seu extremo benfiquismo, mas, este encerra um cunho de Portuguesismo que eu abomino! Não faço ideia daquilo que faz na vida, porém, não posso deixar de censurar essa dua visão crítica sobre tudo aquilo que esta direcçã0 faz! Por vezes faz-me lembrar o duo dos marretas, que nada fazem, mas tudo criticam! Esta veia de crítica fácil é um reflexo da nossa pobre mentalidade, toda a gente opina com sobranceria, sapiência e arrogância, mas depois, virados do avesso e espremidos, não sobra nada!Entendo perfeitamente a liberdade de expressão e que o Blog é seu e só lê quem quer, mas porra, por vezes não há pachorra para o ler!

Cumps

António Pista disse...

"O peixe morre pela boca"...

Luís Filipe Vieira disse exactamente o contrário:

"...e que se Di Maria não tivesse saído, Gaitán não tinha vindo."

Se Gaitán não tivesse já contratado, Di Maria nunca teria sido negociado...

Com este pequeno exemplo, demonstras a tua visão distorcida em relação a LFV, e se os outros a têm para defender LFV, tu tens para atacar LFV, tornando-te tal e qual como eu, um fanático com a visão toldada...mas em lados opostos...

HugoRasta disse...

“se Di Maria não tivesse saído, Gaitan não tinha vindo” Ele não disse isto.
Nem podia, porque o Gaitan foi contratado muito antes do Di Maria sair.
O que ele disse foi “Se o Gaitan não tivesse vindo, o Di Maria não tinha saído”
Pode não parecer, mas é muito diferente. E vindo de quem vem, percebe-se perfeitamente a intenção.
Onde o Vieira tentou demonstrar competência, tu, com uma ligeira (e certamente propositada) troca de palavras, lá deste a volta ao texto e assim não tens que lhe fazer um elogio.
Acho bem que se opine e que se critique mas com seriedade e sentido de responsabilidade, portanto vamos lá falar verdade e deixar estas subtilezas linguísticas para os jornaleiros, que tão bem as sabem fazer.
De resto, como costume, não concordo em quase nada.
No geral gostei de ouvir o Vieira, pena que o RGC não o deixasse desenvolver certos temas, como as arbitragens por exemplo. O Vieira até queria falar mas foi interrompido com um “Ok, não vamos entrar em pormenores”. Faltou falar sobre o apoio a Fernando Gomes e alguma aquisições, mas até aí a culpa foi do entrevistador, que nem tocou no assunto, parecia mais preocupado em falar da novela da selecção e até do porco corrupto. Ele inicialmente nem da selecção queria falar mas depois, e muito bem acho eu, abriu o livro. Fiquei a perceber melhor porque foi defender o Queiroz, o objectivo é claramente acabar com o badocha. Parece-me bem.

Mister D disse...

Ena, ena...Tanta gente ofendida com uma simples interpretação de um texto.

Posso ter azia ao Presidente?
Posso escrever posts sobre essa azia?
Posso emitir a minha OPINIÃO, que é tão legítima como qualquer outra?
ObrigadO!

HugoRasta disse...

Mas qual interpretação! Tu manipulaste as palavras dele, ou seja, não disseste a verdade.
Não te faças de virgem ofendida, que ninguém aqui atacou a tua opinião.
Podes dar a tua opinião à vontade, acho até que já ninguém lhe dá muita importância, podes ter azia a quem quiseres, é para o lado que durmo melhor... Mas não inventes tá bem?

DeVante disse...

Bem dito Hugo!

O "direito à opinião" tem servido para camuflar muita má fé!

Pode-se opinar e interpretar aquilo que realmente foi dito por alguém, mas não se pode distorcer o que alguém diz e a partir daí interpretar e opinar...acho eu...