quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Os Actos da História (IV)

IV - O que poderia ter sido feito e não foi


Com o objectivo do bi-campeonato e de fazer uma boa figura na Champions League, o Benfica teria de se reforçar em pontos nevrálgicos, para ter pelo menos dois jogadores capacitados para a mesma função. Não existe um substituto à altura de um Maxi Pereira, pelo que era necessário adquirir um defesa-direito. Não existe um substituto à altura de um César Peixoto, mas poderia ser compensado por um Ruben Lima, que andou emprestado e nunca teve a sua oportunidade.


Com a saída de Di Maria, a minha escolha óbvia seria Simão. O elevado salário é um obstáculo, mas o desejo de jogar a Champions e voltar ao clube pagavam isso e até ajudavam a baixar o ordenado. Se Simão falhasse, Dzsudzsák, que joga no PSV Eindhoven. É canhoto, tal como Di Maria, tem sensivelmente a mesma idade (24 anos) e por 15 milhões de euros seria adquirido, rentabilizando ainda a diferença entre o que o Real pagou pelo argentino e o que pagávamos pelo húngaro.


Urreta foi emprestado com a promessa de vir Guardado. Mais um negócio abortado pelo Presidente, que prometeu os mundos e nem sequer deu os fundos. Seria uma outra boa opção, quer para a direita, quer para a esquerda.


Rodrigo foi adquirido para ser emprestado ao clube que manifestou interesse ao mesmo tempo que o Benfica. Mais uma vez, Rui Costa fez papel de fantoche ao apresentá-lo na Luz, para uma semana depois ser emprestado, e provavelmente não mais voltar.


A formação continua a ser negligenciada. Hoje, no último dia de mercado, o Benfica foi buscar um avançado brasileiro chamado Rodrigo Cabeça, que jogava no Estoril e que pertence a uma dessas novas companhias de passes de jogadores. Mais um brasileiro, enquanto que Nélson Oliveira foi emprestado ao Paços de Ferreira, que já tinha oito avançados. Existem valores na formação do Benfica que não são usados porquê? O que dificulta tanto a entrada de jovens portugueses na melhor equipa portuguesa?


O apoio à Liga de Clubes e a esta lista encabeçada por Fernando Gomes foi outro dos maiores erros que se poderia ter feito. Apoiar uma lista destas requer ao Benfica jogar o dobro do que jogava o ano passado para poder ganhar o campeonato e alcançar o bi. Será preciso muito para aguentar as pressões, os roubos, as provocações e as uniões de FC Porto, Sporting e Sp.Braga para atacarem o mesmo de sempre: o nosso Benfica! Muitos perguntam o que o Benfica poderia fazer. A resposta é simples: abster-se. Era a resposta mais clara ou então preparar uma candidatura, como os outros em tempo útil prepararam…

1 comentário:

Manuel disse...

"História - aquela pequena cloaca onde os homens gostam de chafurdar". Francis Ponge.

"Os historiadores são como os surdos que passam a vida a responder a perguntas que ninguém lhes fez". Leão Tolstoi.