quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sérvios

O que ontem aconteceu em Génova foi mais que hooliganismo. Foi também uma manifestação política de quem se sente ostracizado pela Europa. Mais que a premeditação dos actos, exemplificada na introdução de alicates nas bancadas, impressionam os aplausos da bancada perante a exibição de bandeiras albanesas que viriam a ser consumidas pelas chamas. Impressiona ainda mais porque aquela é a imagem que sempre terei do povo sérvio. Mesmo que compreenda a ira na questão do Kosovo (de um ponto de vista estrictamente territorial), dos sérvios conservo apenas a imagem de um povo intolerante e racista, por tudo o que ouvi da boca dos dirigentes do Partizan naquela mítica noite do Carlos Lisboa. Bastou que uma simples bandeira do Hajduk Split fosse colocada na rede do nosso velhinho pavilhão para que aqueles senhores perdessem a compostura e exibissem tudo o que de pior existe no ser humano. Entre esses dirigentes de fato e gravata e os encapuçados seguidores de Zeljko Raznatovic, nenhuma diferença se encontra.

8 comentários:

piazzanuova disse...

Há pontos que entendo no post, outros nem tanto.

totalmente de acordo no que toca à intolerância e vileza dos sérvios.

Mas fiquei sem entender a tua posição qd logo à cabeça escreves que se sentem ostracizados pela Europa. Porquê? porque ao dizeres que são ostracizados, de alguma maneira justificas aquela horrenda postura histórica e totalitarista da etnia sérvia.

É como te disse, fiquei confuso.

Abraço.

Astutillo Malgioglio disse...

Eu não digo que eles são ostracizados, apenas refiro que é assim que eles se sentem (por causa da Nato, reconhecimento da independência do Kosovo, etc...)

Não concordo com a limpeza étnica "tentada" pelos sérvios (nem ali, nem, na Bósnia, nem em qualquer lugar), apenas aceito os argumentos territoriais para a recusa da independência.

piazzanuova disse...

Ok!

Constantino disse...

Não sou grande acompanhante do fenomeno "Jugoslavia" mas da minha parte parece-me que a Servia é o ultimo refugio da extrema direita do inicio do sec. XX na Europa. Obviamente que os incidentes de ontem tiveram a ver com tudo menos com desporto, a mentalidade de extrema direita devassa a sociedade servia. Mais qe um fenomeno desportivo, aquilo é um fenomeno social e os Balcãs foram, são e vao continuar a ser um barril de polvora sempre com rastilho curto. Talvez esteja na altura da UEFA tomar medidas mais sérias em relação à Servia, talez similares às que teve com as equipas inglesas ou com a selecção da antiga jugoslavia.

Manuel disse...

Isto fica ainda mais engraçado quando comentado por gajos que entregam campeonatos ao adversário à base de pedrada. Ou que pegam fogo a autocarros.

Extrema direita, política, sim...
Claques, caralho. Montes de merda ambulantes, com meia dúzia de inocentes que deixam de o ser quando em massa.

Palhaçadas agora.

VHugo disse...

É incrível que se queira matar o futebol por todo o lado!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2010/10/tudo-uma-questao-de-portugues.html

APLANE disse...

Então para falar de anormais, veja este video...

http://www.youtube.com/verify_age?next_url=http%3A//www.youtube.com/watch%3Fv%3D_ojxOMWSso4

Captain Kid disse...

Não só o que aconteceu anteontem, também aquilo que aconteceu em belgrado estes dias durante a parada gay mostra muito bem que a sérvia (ainda) não pode fazer parte da UE. Espero que Bruxelas entendeu o recado. Por mais reformas do governo, a sociedade não está pronta.

Mas também sou contra uma exclusão da sérvia da uefa ou desta qualificação. a exclusão da jugoslávia do euro92 foi dos piores momentos do desporto. prefiro decisões como os jogos em casa sem público.