sábado, 7 de agosto de 2010

Umas notinhas sobre a Supertaça

- O painel de comentadores que nos foi brindado por esse esterco de televisão que dá pelo nome de TVI é do mais excrável que existe. É notório que o Valdemar Duarte (benfiquista que é, fica já aqui com a sentença) nunca jogou futebol, mas também é notório que o João Querido Manha, sem um PC que lhe possa dar as estatísticas de que tanto gosta é um zero a comentar, porque não percebe. Basicamente, é isto o lixo que nos vão dar durante mais dois anos aqui na parvalheira, durante os jogos do Campeonato. Portanto, preparem-se...

- Queria falar também do Noddy. É certo que o gajo mais asqueroso que o país já conheceu (PdC) disse que o Noddy era um jogador à Porto. Na altura, não se entendeu porquê, mas com o jogo de hoje, tem todo o sentido. Qualquer bola disputada, o Noddy colocava o focinho da relva e esganava de dor, como se ainda estivesse nos tempos da Academia. O problema é que agora, mesmo que não tenha nada a ver, é sempre falta, porque as cores da camisola são outras bem diferentes. Estás no sítio certo, Moutinho...

- Depois, o equívoco que anda para ali no nosso lado esquerdo. Nem César Peixoto, nem Coentrão sabiam que posição é que jogavam em campo e isso é prejudicial. Ou se assume que Coentrão é defesa-esquerdo e mete-se Gaitán no meio-campo, ou se assume que o Peixoto é defesa e o Coentrão substitui o Di Maria. Não vale a pena andar agora, nesta altura, a fazer experiências. Ainda para mais, com o FC Porto....

- E a saída de Ramires abre um problema gravíssimo no equilíbrio da equipa do Benfica, que é aquilo que se chama no futebol a transição defensiva. Na equipa do Benfica do ano passado, a transição defensiva da equipa era feita por 7 elementos de campo (a linha de 4 defesas, o trinco, o médio atacante e o médio direito), porque os restantes eram ofensivos demais. Já se viu que nem Ruben se dá bem como defesa-direito, nem Carlos Martins como médio-direito, tendo Ruben atrás. O jogo de hoje serviu para dissipar as dúvidas. E não sei se Wesley será a melhor contratação para o efeito, mas isso fica para outras núpcias...

3 comentários:

TC disse...

Para além dos problemas elencados com os quais concordo, o grande problema situou-se ao nível do posicionamento defensivo. claramente baixámos as linhas para proteger o rapazinho que contratámos para GR.

Mentiroso disse...

Vitória justa do clube do Porto perante um Benfica muito fragilizado, sem velocidade, sem dinâmica, sem frescura física e sem ideias definidas.

Jesus quis baralhar o adversário com a entrada de C. Peixoto e o adiantamento de Coentrão, percebeu-se desde o início que era uma aposta errada. Muito mal estará o Benfica se contar com C. Peixoto para a titularidade perante adversários desta valia.

Di María e Ramires já não fazem parte deste cenário, não adianta lamentar as suas saídas, lamento sim a ausência de capacidade negocial da direcção do Benfica que não soube esticar a corda, indo mais além nas verbas a receber e na qualidade das últimas aquisições. Gastámos mais de 30 milhões em reforços, recebemos ligeiramente menos do que isso (29,75M) e estamos claramente mais fracos que na época passada.

Astutillo Malgioglio disse...

Não cheguei a comentar o post onde falas da necessidade de recrutar mais um médio, faço-o neste, aproveitando o teu último ponto.
Preferia dar prioridade à aquisição de um defesa direito e, para já, dar ao Ruben o papel do Ramires.