segunda-feira, 4 de abril de 2011

Pequenos pormenores que fazem a diferença

- O FC Porto é campeão a 3 de Abril, mais de um mês antes de acabar o campeonato...

- É campeão no sítio onde mais gostava de ser campeão. O Benfica teve essa oportunidade o ano passado e não o conseguiu...

- O Benfica não pode baixar ao nível de um clube regional. A questão do apagão é ridículo, mesquinho e mostra que claramente falta ali qualquer coisa...

- Duarte Gomes foi mais uma vez igual a si mesmo e igual a todos os árbitros desta Liga: incapaz, sem conhecimento mínimo do que são contactos entre jogadores e um total desnorte no capítulo disciplinar...

- Roberto, uma vez mais, foi decisivo a dar pontos. Mais uma vez, ao adversário. E não me venham com as defesas que fez no passado e que fez no jogo (duas). Um guarda-redes que custa o que ele custou tem de valer muito, mas mesmo, muito mais...

- Para o ano há mais, em termos de campeonato. Temos ainda três Taças para conquistar. Sejamos humildes para as merecer...

12 comentários:

MS disse...

Concordo - mas num momento que deve ser de reflexao benfiquista deixaria o corpo insignificante de Duarte Gomes de fora.

Sejamos Benfica, com grandeza em tudo e nao so da boca para fora.

Joao disse...

Muito bem MD.

Haja mais Benfiquistas que se recusam a descer ao nivel dos Andrades.

Contumil disse...

Simplesmente vergonhoso a batalha campal à volta da Estádio antes jogo, as casas do porto e os carros vandalizados, os tiros para o ar, o apagão do final e depois ainda ligaram a rega automática. Digno de um qualquer campeonato sul americano.
Embora o nosso Campeonato tenha pouca visibilidade lá fora, tenho a certeza que as imagens do apagão vão correr mundo. É uma vergonha para o Benfica e para a sua Gloriosa História. Pois se o nosso lema é "nós somos diferentes", hoje fomos iguais a eles.

João Oiveira disse...

O apagão não foi o pior. Não acho isso nada de especial. Mau mas mesmo mau foi a batalha campal que se viu fora do estádio. por momentos as imagens que apareciam no ecrã da tv pareciam filmadas na libia ou países semelhantes que estão em guerra. O corrupto mor hoje acabou de nos manipular. Conseguiu meter Lisboa em guerra sem sequer precisar que os seus aliados participassem nela. Nós que tanto criticamos, e bem, tudo e todos que fazem parte do sistema, hoje participamos nesse sistema sem darmos conta disso. Hoje foi mais que uma derrota e um campeonato perdido. Foi o despertador que tocou o mais alto de sempre na história deste clube. A maior chamada de despertar. Só temos de nos limitar a ser melhores. E quando não nos deixarem temos de denunciar até à exaustão. Hoje podíamos fazer tanta coisa. chama-los de corruptos até não poder mais, ter cartazes e mais cartazes a denunciar toda a merda que eles fazem. em vez disso muitos de nos passamos 15 dias a dizer que a UEFA é mais importante, outros a combinar confrontos. No final da história realmente conseguimos visibilidade lá fora, mas como um clube de arruaceiros. O crime nunca compensou nem nunca vai compensar. Eles ganham hoje mas daqui a uns anos simplesmente acabam. Não têm suporte suficiente para viverem sem a corrupção. Quando PdC sair tudo vai mudar para eles.

Edgar disse...

Perdemos o campeonato. Não foi hoje – como se diz por aí –, mas logo no início, quando, com o escudo no sítio certo, não encontrámos a humildade e a qualidade necessárias para contrariar o que já se adivinhava e até havia sido anunciado pelo próprio presidente rival. Falhámos e, pese embora a posterior demonstração de competência (quer individual, quer colectiva), jamais poderíamos lá chegar: o nosso bom futebol poderá sempre derrotar 14 adversários por jogo; mas nunca vencerá no campo onde o FC Porto é levado ao colo.

Mas hoje sinto-me mal – como não me sentia há muito. Esta derrota, em nossa casa, servirá apenas para adensar a irrealidade dum campeonato pensado e concretizado fora das quatro linhas, da mesma forma que se vem escrevendo a história do futebol português, ao longo dos últimos trinta anos. Sinto-me mal, porque o nosso clube apoiou a candidatura de Fernando Gomes; porque continua vinculado à empresa de Joaquim Oliveira; porque há rostos do polvo a frequentarem as instalações VIP do nosso estádio; porque antes e no final do jogo os nossos adeptos e dirigentes responderam aos apelos do nosso rival, demitindo-se dos valores que norteiam o Sport Lisboa e Benfica.

O Benfica e os benfiquistas têm de compreender algo de uma vez por todas: nunca sentiremos a rivalidade que eles sentem por nós. É o ódio ao maior clube português que os alimenta e os move. É esse o registo regionalista e medíocre em que vivem. E nós, que amamos o nosso clube acima de qualquer outra coisa, que temos (e teremos) uma posição dominante no desporto e no futebol nacional, precisamos reforçar a mentalidade daqueles que vestem o manto sagrado, na hora de pisar os relvados – sobretudo, quando defrontam os rivais mais directos. Esse trabalho tem de ser feito (pelos dirigentes e pelos treinadores), sob pena de repetirmos noites como esta, sempre que surja este um-para-um.

Lamento dizê-lo, mas sinto que hoje houve (muitos) benfiquistas que não estiveram à altura da nossa instituição, antes, durante e depois do jogo. E apesar desta noite mal dormida, desta tristeza que me oprime o coração, não consigo deixar de ter orgulho no actual Benfica; em ser benfiquista. Basta, para tal, olhar para a televisão (sem som), que hoje transmite em tons de azul e branco. Vejo um café em Cabo Verde, com dez portistas aos saltos e 90 indivíduos de rosto fechado; vejo um grupo de cinco amigos a festejar em Genebra; e vejo uma rua com algumas pessoas, na cidade do Porto.

Vou-me deitar a pensar que tudo isto não passou de um pesadelo passageiro. De uma escorregadela, um passo atrás, de algo que estivesse previsto e que não prejudicará este projecto na busca do bom e velho Benfica. Logo, quando acordar, vou lembrar-me que tenho três taças para ganhar. Se tudo correr normalmente, poderemos decidir duas delas frente ao FC Porto. Em casa ou em Dublin, temos de provar que somos melhores. Os melhores, mesmo depois da mentira cruel desta noite. Por isso, benfiquistas, nesta segunda-feira as lágrimas estarão limpas. E juntos poderemos escolher, entre baixar os braços, perante o desânimo, ou mostrar a Portugal e ao mundo o que é o Benfica. Mostrar o nosso orgulho, nunca esquecendo os nosso princípios e os nossos valores. Cabe-nos a nós, somente a nós, evitar repetir coisas que hoje não deveriam ter acontecido, em palco sagrado. É simples: é levá-los ao colo e vencer. Vencer, de alto a baixo.

Passaralho disse...

Este ano levamos a taça da cerveja, se o Paços deixar.

A Taça de Portugal e a Liga Europa vão para os mesmos que levaram o campeonato, e muito justamente, como já o campeonato foi. Podem escrever.

Mais, e vou-me repetir: não reconhecer essa superioridade é o primeiro passo para lhes entregar o ano que vem. E se calhar mais.

Cumprimentos,
Benfica Sempre!

M disse...

o pior da noite foi mesmo a merda do apagão e da rega....

sinceramente, acho que foi estupido, estupido, estupido....

alem da vitoria no jogo e no campeonato, temos agora de conviver com as piadas de merda e com o estigma da falta de fair play e esquemas manhosos que tanto denunciavamos como modus operandi dos gajos...

as batalhas campais dou de barato e enquadro em contextos marginais,de claques e afins quesafoda...as posturas oficias de meu clube, isso ja me toca e muito, nao podemos descer ao nivel que criticamos anos a fio..e que agora vão ser "rentabilizados" ate à exaustão....

seja como for, quinta la estou, tenho o bilhete para a taça dia 20 à, sei la, mes e meio, e tenho uma chama imensa dentro de mim.

Edgar disse...

Já vejo por aqui descrédito total numa equipa que já demonstrou capacidade e competência para derrotar qualquer adversário que defrontou, ao longo desta época.

É nestas horas que temos de nos unir e contribuir para que o Benfica regresse aos níveis físicos e mentais que já apresentou este ano - ainda há três taças para ganhar e não acreditar nisso, com toda a alma e coração, é fazer o jogo do adversário. Humildade e trabalho sim; resignação e comodismo não.

Podemos ganhar! Temos de acreditar e ajudar - é esse o nosso papel, fora do campo. E, é claro, demonstrar de forma directa e clara o nosso descontentamento pela adopção de práticas estranhas ao nosso clube; jamais poderemos descer ao patamar de quem vive e actua (e dorme descansado) da forma como outros o fazem.

João Pedro disse...

Passaralho, explica-me porque é que a Taça de Portugal vai "muito justamente" para os mesmos que ganharam o campeonato? Que fizeram eles por isso? Receberam um conjunto de equipas de divisões secundárias, e quando uma do mesmo escalão se deslocou ao seu estádio, perderam 2-0. Onde está o mérito? Podem ter ganho bem o campeonato e estar a fazer uma grande carreira na liga Europa, mas na Taça o Benfica tem tido adversários a sério e sido muito superior. Uma coisa é modéstia, outra é cairmos no disparate; o Benfica na final do Jamor é da mais elementar justiça.

Passaralho disse...

@JP:

O meu maior gosto será vir aqui engolir estas minhas 'premonições'.

Quanto à 'explicação', os corruptos vão dá-la dentro de campo, como têm dado.
Na Liga Europa então, tem sido uma limpeza. Mas devem ser os árbitros.

Cumprimentos,
Benfica Sempre!

Pedro disse...

o apagão foi bem feito, não tem o SLB q suportar o encargo com a festa deles. A rega patética.

Enquanto continuarmos com essa postura do "ser diferente" e com isso dar sempre a outra face nunca ganharemos esta batalha. NUNCA.

João Pedro disse...

Passaralho, vamos a ver se nos entendemos. ou são corruptos e então não merecem essa consideração de "superioridade", ou não são, mas tal não invalida que não sejam invencíveis. Também diziam que o Benfica ia ser goleado outra vez na Taça. Viu-se: 2-0 e meia hora com dez, sem que o adversário criasse uma oportunidade de golo.
E a euroliga, tirando o CSKA, não tem sido nenhuma "limpeza": o de Sófia e o Viena são fósseis autênticos, o Besiktas anda à deriva (os de Kiev que o digam), e contra o Sevilha apanharam um valente susto. Bem sei que nesta altura todos pensam que o Porto é invencível, mas calma.